Crónica

A união faz a força bruta /premium

Autor
1.337

Por um instante, acreditei que haveria vida inteligente algures entre o “feminismo” e o “machismo”. Já não acredito. Aliás, começo a não acreditar em coisa nenhuma e a apreciar poucas.

É possível que deixar de fumar, de beber e de investir as poupanças na roleta implique benefícios a longo prazo. Deixar de ver televisão traz benefícios imediatos. O mais recente é ser poupado à catrefada de programas dedicados à violação alegadamente cometida pelo futebolista Cristiano Ronaldo em Las Vegas. Os ecos que me chegam (e sobram) pelo Facebook dão-me conta de mesas redondas cercadas de especialistas especializados em proferir atoardas. É daqueles casos em que imaginamos exactamente o que estamos a perder: lixo.

Por regra, este alvoroço em redor dos abusos sexuais costuma confrontar duas escolas de pensamento. A escola “machista” acha todas as acusações infundadas e obra de galdérias interessadas em dinheiro e/ou fama. A “feminista” considera todas as acusações verdadeiras e todos os actos perpetrados a coberto de um “sistema” patriarcal e opressor. A escola “machista” desvaloriza a autonomia e o arbítrio das mulheres. Por diferentes caminhos, a “feminista” também. A escola “machista”, informal e tosca, é irredutível nas suas convicções. A “feminista”, organizada e metódica, tem dias.

Se, por exemplo, uma das medalhadas em sofrimento pelo #MeToo é suspeita de marotices sobre um rapaz adolescente, boa parte do “feminismo” decreta logo as denúncias falsas e indignas de sequer serem levadas em consideração. E se, outro exemplo, as denúncias provêm de uma americana que, em vez de comprometer um juiz escolhido pelo sr. Trump, compromete o sr. Ronaldo, certo “feminismo”, pelo menos de extracção caseira, sofre novo abalo e procede, hesitante, à desvalorização da fêmea em causa para não desvalorizar o motor do orgulho pátrio. Aqui, escusado notar, o “machismo”, que nunca hesita, fica a um passo de propor o esquartejamento da tal senhora.

E andamos nisto, que me interessa tanto quanto as infusões de camomila. Por um instante, acreditei que haveria vida inteligente algures entre o “feminismo” e o “machismo”. Já não acredito. Aliás, começo a não acreditar em coisa nenhuma e a apreciar poucas. Marxistas. Budistas. Fascistas. Benfiquistas. Nacionalistas. Bairristas. Papistas. Activistas. Ciclistas. Maoistas. Catequistas. Socialistas. Alquimistas. Sambistas. Sindicalistas. Artistas. Bilharistas. Etc. Por definição tácita, os “istas” deste mundo são criaturas com desesperada necessidade de pertença a algo que os transcenda, em quantidade e, pensam eles, em qualidade. Pode ser uma ideologia, um culto, um clube, uma associação, um tique partilhado por um grupinho razoável.

Cumpre-me informar que jamais senti semelhante carência. Se sentisse, estaria tramado, visto não me ocorrer um único critério que me aproxime, por acordo ou telepatia, de qualquer amontoado de gente. Assim por alto, sou, porque calhou, homem, caucasiano, português, heterossexual e ateu. Existe alguma afinidade inata ou adquirida que me vincule aos restantes homens, caucasianos, portugueses, heterossexuais e ateus? A resposta é não. Ou não, cruz credo. Ou não, a que propósito? A “identidade”, que em décadas esmagou a luta pela igualdade a benefício da histeria pela “diferença”, é um delírio infantil, e as políticas que a utilizam são uma fraude concebida para arregimentar pasmados.

A “integração” em bandos afinal abstractos, fundamentada em características fortuitas como a naturalidade, o sexo ou a cor da pele, será na melhor das hipóteses um descanso para cabecinhas desnorteadas. Na pior, serve para as cabecinhas se sentirem superiores, exigirem privilégios e proibições, alimentarem conflitos e, em última instância, dividirem sociedades sustentadas pelos sempre débeis laços civilizacionais de modo a facilitar o reinado de oportunistas, súmula competente dos “istas” em geral.

Acerca do assunto – ou da falta dele – na ordem do dia, eis a minha opinião: não tenho. Vejam lá (de que maneira?) se o sr. Ronaldo é culpado e, se sim, prendam-no. Ou apurem (de que maneira?) se a senhora é mentirosa e, então, prendam-na a ela. Ou enviem o prof. Marcelo para distribuir comendas por ambos. Ou vão dormir e não incomodem com indigências as raras pessoas que não querem ser incomodadas com indigências, por acaso uma “identidade” que eu assumiria sem esforço nem vergonha.

Nota de rodapé:

Em Tancos, um crime foi deliberadamente encoberto, o que constitui outro crime. Felizmente, ninguém que importe soube de nada. Nem o ministro (que, em seu abono, nunca sabe de coisa alguma), nem o primeiro-ministro (ele seja cego, surdo e – peço a Deus – mudo), nem Sua Excelência, o Comandante Supremo e Impecável das Forças Armadas (aquele senhor das “selfies”). É uma sorte tremenda, dado que a evidente inocência destas personalidades permite-lhes continuar a mandar competentemente no país em vez de irem parar ao olho da rua ou, fosse este um lugar diferente (digamos), à cadeia. Na cadeia está uma figura menor, cujo nome não recordo e cuja ausência não perturba a nossa imparável marcha rumo ao ridículo, perdão, à glória final.

Nota do autor: o autor vai de férias. Regressa dia 27.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Onde vais Rio que eu canto /premium

Alberto Gonçalves
2.059

O dr. Rio passou pelo Colégio Alemão, pela Faculdade de Economia e pela vida em geral e, não obstante, conseguiu chegar aos 60 anos convencido de que o PSD é um partido de esquerda.

Ano Novo

2019 é quando, e se, um homem quiser /premium

Alberto Gonçalves
1.226

O importante é rompermos com as representações que o “sistema” nos atribui e assumirmos a essência do que realmente nos representa. E eu, ao invés do que o Estado presume, não me sinto contribuinte.

Crónica

Se eu pudesse ver a minha avó /premium

Ruth Manus
188

Atrás da tela do computador, os olhos avermelhados seguem clamando por uma trégua. O céu escureceu ainda mais. Hoje não vou vê-la. Mas fecharei os olhos por alguns minutos, sem contagem regressiva. 

Crónica

O Rato rebolou a rir do repto a Rui Rio /premium

Tiago Dores
2.011

Eu acho estupendo. Propinas gratuitas, livros gratuitos, transportes gratuitos, tudo gratuito para toda a gente. Por este caminho o mais provável é acabarmos a trabalhar gratuitamente para o Estado.

Crónica

Os "influencers" ou o Portugal dos Pequeninos

António de Souza-Cardoso
414

Cristina Ferreira a Mulher mais influente do nação? Pedi, com incontida revolta, explicações. Que me foram dadas, julgo que com a paciente condescendência que se devota às pessoas achacadas pela idade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)