Rádio Observador

Governo

Nunca haverá impostos que cheguem /premium

Autor
398

Manuais escolares e descentralização, ou como o Estado vai aumentando a despesa pública. São medidas que trazem custos certos e benefícios incertos ou nulos. Com a descentralização podemos até piorar.

Há muitos anos que se defende, como acontece em países mais ricos que o nosso, que os manuais escolares devem ser gratuitos no ensino obrigatório. Pragmaticamente, cada escola tinha manuais que reutilizava e entregava simplesmente aos alunos no início do ano. Mas não foi assim que se decidiu. Criou-se, como é habitual, um complicadíssimo sistema burocrático, sem qualquer garantia de reutilização. Vale a pena ler a experiência de um pai aqui, focando-nos essencialmente no processo burocrático para aceder aos ditos manuais. Ou este guia para aceder aos livros – a necessidade de um guia revela em si que o processo não é simples.

A complexidade do processo não pretende, contudo, criar dificuldades. O sistema encarrega-se de dar os livros mesmo a quem não os quer, esquecendo-se por completo das regras de protecção de dados que têm sido esgrimidas pelas razões mais estranhas – veja-se por exemplo a oposição ao inquérito que estava a decorrer nas escolas e que até leva a pôr em causa questões do próximo Censos, mas este é outro tema.

Para que serve ou a quem serve um processo tão complexo quando tudo podia ser gerido nas escolas? Não se percebe. Centralização? Por falta de confiança na capacidade de as escolas gerirem os livros? Porque a regra é clara: todos os que andam em escolas públicas ou privadas com acordo de associação têm direito a manuais gratuitos. (Não vale a pena discutir se o direito devia ser alargado a quem tem os filhos em escolas privadas porque o debate ficaria imediatamente inquinado com acusações laterais de se querer beneficiar os ricos, como se “os ricos” não pudessem ter, e não tivessem, os filhos em escolas públicas).

O fornecimento de manuais escolares gratuitos reutilizáveis tem condições para atingir vários objectivos: o primeiro, e mais importante, garantir o acesso à educação a todos, sem excepção, no quadro das políticas de promoção da igualdade; em segundo lugar, o Estado deve pagar esses manuais porque cidadãos educados garantem países mais desenvolvidos, todos beneficiando com isso e não apenas quem tem mais Educação; finalmente e não menos importante, a reutilização dos manuais promove uma cultura de partilha e de combate do desperdício. O único objectivo plenamente atingido é o primeiro. Em parte, por excesso de centralização.

E daqui partimos para o processo de descentralização em curso que está, como é óbvio, a começar mal. É um dos temas que mereceu o acordo entre Rui Rio e António Costa. O Governo aprova uma lei que consagra a transferência de competências para as autarquias, mas sem que se conheçam os recursos humanos e financeiros. Quem ler o diploma fica exactamente com o mesmo receio, sob a forma de “questão em aberto”, que o Presidente da República manifestou quando promulgou o diploma a 2 de Agosto: “o inerente risco de essa transferência poder ser lida como mero alijar de responsabilidades do Estado”. O que se tem passado, desde então, em vez de acalmar esse receio adensa-o ainda mais.

Como é que as autarquias vão ficar com o conjunto de responsabilidades — em que se incluem os cuidados primários de saúde, a educação e equipamentos –, sem que estejam previamente acautelados os devidos recursos? E se são as autarquias a prestar alguns dos serviços agora fornecidos pelo Estado como é que isso não se traduz, ao mesmo tempo, na eliminação de departamentos do Estado?  Um dos artigos que coloca essa questão é, por exemplo, o do Presidente da Câmara de Santa Maria da Feira, Emídio Sousa.

Como se isso não bastasse, o Governo colocou as autarquias perante a posição de darem um salto no escuro. Para não ficarem com essas competências já em 2019 – faltam quatro meses –, teriam de dizer explicitamente que o não queriam até dia 15 de Setembro, supondo-se que nessa altura já existiriam os diplomas que regulamentavam a lei, definindo concretamente os recursos. Não havia diplomas ainda nessa data e o ministro Eduardo Cabrita decidiu anunciar que aquele prazo, que está na lei, não valia, e que iria ser prorrogado. Claro que partidos como o PCP deram orientações às suas autarquias para que dissessem “não queremos”, numa posição que também é seguida pelo CDS, com menos efeitos pela sua muito mais reduzida representação autárquica. Se quem lidera as câmaras pensasse pela sua cabeça, e não pela do seu partido, teríamos assistido a um generalizado “não queremos”, enquanto não se perceber exactamente se existem condições, para prestar os serviços que o Governo quer transferir do poder central para o poder local. Não foi isso que aconteceu, ainda menos porque este foi um acordo de bloco central – PSD e PS.

O caso dos manuais escolares mostra bem a falta de uma real vontade de descentralizar e a indiferença em relação à necessidade de se ser mais eficiente através da reutilização. Mas pelo menos os livros são distribuídos gratuitamente, há uma transferência do custo para todos nós.

No caso da descentralização em andamento existem razões para termos os maiores receios ou, como diz o Presidente, para que existam muitas, talvez demasiadas, questões em aberto. Corremos o sério risco de assistir à degradação dos serviços gastando mais dinheiro e com Governo e autarquias a culparem-se uns aos outros. Parece mais um processo de desresponsabilização do que de descentralização. De facto, assim não há impostos que cheguem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

As greves antes e depois dos motoristas /premium

Helena Garrido
759

As greves podem nunca mais voltar a ser as mesmas depois do que está a acontecer com os motoristas. Estas greves são em si efeitos de um Governo com o inédito apoio dos partidos de esquerda.

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido
166

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
847

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Combustível

Teorias da conspiração /premium

Manuel Villaverde Cabral

A única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida
238

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)