Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Apesar de a Grã-Bretanha ser, supostamente, um reino ‘unido’ e a comunidade europeia uma ‘união’, o Brexit evidencia a desunião dos britânicos e dos europeus. Na vizinha Espanha, outro reino desunido, Barcelona está a ferro e fogo, depois da condenação de vários líderes políticos catalães, por delitos de direito comum, a penas efectivas de prisão.

É um lugar-comum dizer, como Rui Tavares escreveu no Público de 16-10, que, quando Portugal recuperou a sua independência, em 1640, pôde faze-lo porque Madrid teve de enviar as suas tropas para a Catalunha, que já então ameaçava tornar-se independente. Ao contrário do que supõe, Portugal e a Catalunha não eram equiparáveis em 1640, como já aqui escreveu Helena Matos: a nação portuguesa já existia, como um Estado livre e soberano, desde 1143, enquanto a Catalunha, como o país basco, nunca o foram, ao contrário de Aragão, Navarra, Castela, Leão, Galiza e até Granada.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.