Crónica

O Rato rebolou a rir do repto a Rui Rio /premium

Autor
2.011

Eu acho estupendo. Propinas gratuitas, livros gratuitos, transportes gratuitos, tudo gratuito para toda a gente. Por este caminho o mais provável é acabarmos a trabalhar gratuitamente para o Estado.

Quem por estes dias passar no Largo do Rato escutará sonoras gargalhadas provocadas pela bagunça no PSD. Na sede do PS o som da chacota ecoa ainda mais alto porque no que diz respeito a uma estratégia para o futuro do país o silêncio é sepulcral. Ainda assim, alguma da troça provocada pelo desafio de Luís Montenegro a Rui Rio são risos nervosos. No fundo os socialistas têm enorme admiração por alguém que tenta correr com um líder eleito há apenas um ano. É que mesmo o habilidoso António Costa esperou por uma vitória eleitoral por poucochinho para correr com Seguro.

Entretanto, os críticos de Rui Rio estão indignados por o Conselho Nacional que decidirá o futuro do PSD ser às 17h no Porto. É que a essa hora há sessão do parlamento em Lisboa. Mas qual é o problema? Nada que não se resolva com uma boa pedra-pomes e a solicitude daquela deputada que votou pelo colega Barreiras Duarte: os deputados vão para o Porto e a senhora carrega nos botões por todos eles. No fim da sessão a deputada esfrega suavemente a pedra-pomes no calo que entretanto ganhou no dedo indicador e vai gozar quinze dias de repouso bem merecido.

O PSD capitula e a Aliança capitaliza. Já vai com 4% nas sondagens. E na convenção do Movimento Europa e Liberdade Santana Lopes afirmou que “Temos de derrotar a frente de esquerda e o Governo de António Costa”, pondo fim às especulações que a Aliança poderia viabilizar um futuro governo minoritário de Costa. Havia até quem insinuasse maldosamente que “Aliança” era na verdade o acrónimo de “A Liderança Intregaremos Ao Nosso Camarada António”. E mesmo quando confrontados com o facto de “Entregaremos” se escrever com “E” e não com “I”, e “Camarada” não ter cedilha, os mordazes intriguistas contrapunham — não sem alguma graça: “O quê, o nome do partido do apreciador das peças de Chopin para violino não pode ter dois ou três erros ortográficos, queres ver?”

Quem não apreciou nada esta convenção foi Manuela Ferreira Leite. A ex-ministra disse que o evento lhe mereceu “desprezo” e que preferia que o PSD tivesse “pior resultado” eleitoral do que ficar com um “rótulo de direita”. O PSD, de direita? Alguma vez? Jamais! Não passarão! Creio que consigo identificar a maleita que afectou Manuela Ferreira Leite sem necessidade de meios complementares de diagnóstico: Freitas do Amaralite aguda. Pelo menos é o que indicia a fortíssima guinada à esquerda. Ou isso, ou Manuela Ferreira Leite é daquelas senhoras que está sempre a trocar a esquerda com a direita. Não sei, qualquer coisa se passa para ali.

Por falar na ex-ministra da Educação, o actual ministro preconiza o fim das propinas no ensino superior. É um tema que obriga a muitas contas em sede de Orçamento de Estado. Daí socorrer-me da opinião da especialista Catarina “Portugal Dá Lucro” Martins: e confirma-se, é uma boa opção porque o Bloco de Esquerda também quer acabar com as propinas. Eu acho estupendo. Propinas gratuitas, livros gratuitos, transportes gratuitos, tudo gratuito para toda a gente. É uma estória bonita. Teimosamente, a História insiste em mostrar que por este caminho o mais provável é acabarmos todos a trabalhar gratuitamente para o Estado. A estória é mesmo muito linda, pena o final ser um bocadinho triste.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Estes deputados andam a dormir! /premium

Tiago Dores

Da próxima vez, e se quer viajar na TAP, nada como José Eduardo dos Santos marcar consulta em Portugal: mais atrasadas que as chegadas dos voos da TAP só mesmo as consultas nos hospitais portugueses.

Crónica

Partir A. Ventura /premium

José Diogo Quintela
178

Ventura quer mudar o sistema por dentro. É uma espécie de supositório humano: faz-se introduzir no organismo para depois exercer a sua influência. Ei-lo metade glicerina, metade convicção ideológica.

Crónica

Estes deputados andam a dormir! /premium

Tiago Dores

Da próxima vez, e se quer viajar na TAP, nada como José Eduardo dos Santos marcar consulta em Portugal: mais atrasadas que as chegadas dos voos da TAP só mesmo as consultas nos hospitais portugueses.

Crónica

Amêndoas da Páscoa /premium

Maria João Avillez
231

Daqui a uns dias Notre Dame terá algumas linhas nos jornais e quando muito falar-se-á nos milhões doados pelos “ricos”, não no valor do ex-libris da civilização que nos foi berço e nos é raiz e matriz

Crónica

Subsídio is coming /premium

José Diogo Quintela
392

Um gigante de olhos azuis montado num dragão zombie ainda tem laivos de verosimilhança. Agora o nível de pilhagem do erário público praticado por esta gente exige uma suspensão de descrença bem maior

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)