Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Autor
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade.

Como acontece no resto do mundo, e como em Portugal aconteceu por exemplo com Mário Soares, uma universidade decidiu contratar um ex-primeiro ministro com o estatuto de “professor convidado”. Mas como não acontece no resto do mundo, e como nunca tinha acontecido em Portugal, a extrema esquerda mobilizou logo os seus activistas para uma campanha em nome, imagine-se, do “ensino”. Não vale a pena retomar essa discussão, toda movida a má fé. O que interessa é notar que, se alguém por acaso duvidou da continuada relevância de Passos Coelho, terá certamente deixado de duvidar.

Segundo ensinam os seus inimigos, Passos aproveitou a troika para, por mero capricho ideológico, “destruir a economia” e “desmantelar o Estado social”. Teria passado pelo poder como uma espécie de Nero, a recitar Hayek enquanto a sociedade portuguesa ardia. Ora bem, se foi assim, não bastará isso para o desacreditar? Para que se preocupam tanto com ele?

Acontece que não foi assim, e é esse o problema dos inimigos do ex-primeiro ministro. Afinal, a economia destruída cresce e recupera emprego desde 2013. Afinal, o Estado social desmantelado nunca precisou de ser reconstruído — e pôde até encaixar as cativações da “geringonça” em 2017. É verdade: Vítor Gaspar agravou brutalmente os impostos. Mas se isso prova alguma coisa, é o carácter de emergência pública da governação de Passos, que teve de recorrer, para equilibrar as contas vandalizadas por seis anos de socialismo, ao que não é costume os “neo-liberais” recomendarem.

O radicalismo liberal de Passos nunca foi mais do que um mito urbano. O liberalismo de Passos é apenas aquela parcela de liberalismo que, perante o estatismo deste regime, já existia na “social democracia” de Sá Carneiro, de Pinto Balsemão ou de Cavaco Silva: a ideia de que sem uma sociedade civil mais forte e sem um Estado mais viável a democracia nunca estará consolidada em Portugal. Leia-se o programa da AD de 1980. Foi um liberalismo que nos últimos anos se tornou mais notório, não porque o PSD se tivesse feito mais liberal, mas apenas porque o PS e a restante esquerda se fizeram mais estatistas.

Passos Coelho teve de conduzir um ajustamento que não o deixou ser “social democrata”, tal como Mário Soares não pôde ser “socialista” em 1978 ou em 1983. Mas ao contrário de Mário Soares, Passos não pôde, por causa do Euro, recorrer ao véu da inflação. Na história portuguesa, foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias.  Governou com a verdade. Frequentemente sozinho entre uma oligarquia desorientada, não desistiu e poupou o país à via grega dos resgates sucessivos.

Para quem teve de suportar descontos e impostos, talvez a verdade tenha parecido fria. A coligação PSD-CDS perdeu votos entre 2011 e 2015. Mas muita gente percebeu: a prova é que em 2015, contra toda a expectativa, Passos Coelho derrotou o candidato do PS a primeiro-ministro, António Costa.

Os inimigos de Passos Coelho nunca recuperaram do susto de 2015. Juntaram-se então todos para o afastar, mas mesmo seis meses depois de ele ter anunciado que não se recandidataria à liderança do PSD, o tema ainda tem de ser Passos Coelho. É que os oligarcas não se sentem seguros. Sabem que tudo é demasiado conjuntural. E se as coisas mudarem? Não irá o povo dizer — ao menos, aquele não nos enganou…? É preciso, por isso, continuar a combatê-lo. Com inimigos destes, Passos não precisa de amigos para ser lembrado e até homenageado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

O regime da irresponsabilidade

Rui Ramos
227

Tal como o PS apagou as suas responsabilidades na bancarrota de 2011, o PSD pretende apagar as suas responsabilidades na saída limpa de 2014. Daí os "acordos" desta semana.

Identidade de Género

A lógica das causas fracturantes

Rui Ramos
331

A legislação sobre a identidade de género deixa-nos com uma questão: tal como acontece com a religião, não seria melhor o Estado deixar pura e simplesmente de registar o sexo dos cidadãos? 

Ministério da Cultura

Uma proposta radical para a cultura

Rui Ramos
112

Porque não responsabilizar pessoalmente o presidente da república ou o primeiro-ministro, enquanto mecenas por conta do Estado, pela despesa pública no subsídio às artes? Tudo seria mais transparente.

Pedro Passos Coelho

Coragem

Alexandre Homem Cristo
849

É razoável supor que os protestos produziram dano efectivo na vida de Passos Coelho: antes havia três universidades interessadas na sua contratação, depois dos protestos só uma realmente avançou.

PSD

Primavera chuvosa (e um até já)

Maria João Avillez
139

Convinha reparar que na cave e subcave onde se fabrica o veneno, a temperatura da indignidade e o grau da brutalidade – do insulto, da falsidade, do ódio – atingem picos que nunca se viram, nem usaram

Universidades

Pedro Passos Coelho nunca existiu

Paulo Tunhas
2.133

O ódio a Passos radica na sua energia, abnegação e estoicismo que surpreendeu muito boa gente – como eu, que mudei a opinião que dele tinha –, e que lhe permitiram controlar e dominar a bancarrota.

Política

Humilhadas e ofendidas

Alberto Gonçalves
136

O problema põe-se ao contrário: a maioria das senhoras (e dos cavalheiros, calculo) é competente o bastante para evitar a política e deixá-la ao cuidado dos que, independentemente do sexo, não são.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site