PSD

Rui Rio desistiu

Autor
  • Diogo Prates
112

Já dizia Goethe: “nem todos os caminhos são para todos os caminhantes”. O futuro encarregar-se-á de mostrar se o caminho trilhado por Rio de submissão a Costa mesmo assim chega para ser apenas vice-PM

Aquilo que há muito se suspeitava veio agora confirmar-se: Rui Rio desistiu de ser um dia primeiro-ministro. Só alguém que já não acalenta a esperança de ser PM poderia dar-se ao luxo de responder numa língua estrangeira a um jornalista. O “banho de ética” que Rio prometeu, já se tinha percebido no caso do CV adulterado do anterior secretário-geral do PSD, não passava de uma “banhada”, pois Rio exige aos outros aquilo que não exige aos que estão ao seu lado. A resistência do líder do PSD em pedir a demissão de Feliciano Barreiras Duarte e agora de José Silvano são exemplo da pior forma de fazer política baseada na lealdade partidária, onde as “obediências” são mais importantes do que a ética. Para quem se apresentava como exemplo de transparência, Rio desilude: será que para o líder do PSD o caso das “presenças-fantasma” de José Silvano no parlamento não é suficiente para exigir a sua demissão?

Como se não bastasse não demitir o seu secretário-geral, Rio procura evitar explicações públicas, respondendo em alemão a uma jornalista que o interpelava sobre o caso. Ignorará o líder do PSD que, ao desrespeitar a jornalista, estava a desrespeitar não só o órgão de comunicação social para quem a profissional trabalha, mas muito mais importante do que isso, estava desrespeitar os portugueses? Se pusermos de lado o pedantismo, aquilo que sobra é uma profunda soberba e provincianismo. Rio pode ter estudado no Colégio Alemão e falar um alemão suficiente, falta-lhe tudo o resto que não se aprende em colégios: frontalidade, carisma e liderança. Rio é a prova que um bom presidente de câmara não é sinónimo de bom líder partidário.

O caso de José Silvano revela também como os partidos com assento parlamentar procuram evitar o confronto quando o que está em causa é o funcionamento da Assembleia da República. Porventura como no caso das moradas falsas para obtenção indevida de subsídios, todos terão telhados de vidro, o que diz muito do funcionamento da Assembleia, pelo que talvez esteja na hora de instituir o uso de dados biométricos no controlo da assiduidade dos senhores deputados…

A desconfiança generalizada dos portugueses em relação à classe política levará mais cedo ou mais tarde à procura de alternativas, pelo que depois não valerá a pena chorar, apelidando quem aí vier de fascista, radical ou extremista, pois todos os partidos serão responsáveis por não serem capazes ou não quererem reformar o funcionamento da democracia, começando pela sua própria casa, a AR. Um parlamento porventura mais pequeno e com deputados mais bem pagos em regime de exclusividade contribuiria para atenuar a desconfiança com que os portugueses hoje olham para quem os representa, pelo que este deveria ser um esforço de todos, dos que hoje já têm assento na AR e daqueles que têm o desejo de um dia lá chegar. Quem quer mudar o país deve ter a capacidade de reconhecer as limitações e fragilidades do sistema político e contribuir para o fortalecer.

Já dizia Goethe que “nem todos os caminhos são para todos os caminhantes”. O futuro encarregar-se-á de demonstrar se o caminho escolhido por Rio de submissão a Costa, procurando evitar o confronto e preferindo a oposição “low-profile”, será a melhor para atingir o seu objectivo: ser apenas vice-PM.

Médico

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Revolução Francesa

Diogo Prates
196

Os “coletes amarelos” franceses são o pior inimigo de Costa neste momento. Os portugueses perceberam-no ao compararem o que pagam os franceses pelos combustíveis com o tamanho da nossa carga fiscal.

Política

Ser Liberal

Diogo Prates
104

Com uma “coligação” apostada em se agarrar ao poder e não em reformar o país, do PSD não se vislumbra sombra de alternativa, só o CDS tenta fazer oposição. Agora não está sozinho, os liberais chegaram

PSD

A direita poderia ganhar em 2019 /premium

Sebastião Bugalho
596

Rui Rio homenageia Sá Carneiro falando de piscinas municipais e dos seus processos como arguido na Câmara do Porto e ninguém se levanta para sair da sala. Foi uma vergonha. Repito: foi uma ver-go-nha.

Governo

A verdade vem sempre ao de cima /premium

Alexandre Homem Cristo
267

De mentira em mentira, Costa e a esquerda conseguiram ganhar tempo, gerir expectativas e comprar a paz. Agora, o discurso do governo está a esgotar-se à medida que o seu escrutínio se torna possível.

Política

O Papão da Extrema-Direita

Rita Fontoura
564

Assumo que sou de Extremo sim: de Extremo Rigor nas contas; de Extremo Respeito pela Vida; de Extremo apoio à Família; de Extremo interesse pelos Portugueses; e tenho Extremo respeito pelos migrantes.

Inovação

Transformação: o segredo da inovação /premium

Sebastião Lancastre

As sociedades caminham no sentido de desmaterializar o dinheiro, tornando-o invisível nas nossas vidas. Na Suécia há centenas de lojas que já dizem, à entrada, que não aceitam dinheiro físico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)