PSD

Rui Rio desistiu

Autor
  • Diogo Prates
112

Já dizia Goethe: “nem todos os caminhos são para todos os caminhantes”. O futuro encarregar-se-á de mostrar se o caminho trilhado por Rio de submissão a Costa mesmo assim chega para ser apenas vice-PM

Aquilo que há muito se suspeitava veio agora confirmar-se: Rui Rio desistiu de ser um dia primeiro-ministro. Só alguém que já não acalenta a esperança de ser PM poderia dar-se ao luxo de responder numa língua estrangeira a um jornalista. O “banho de ética” que Rio prometeu, já se tinha percebido no caso do CV adulterado do anterior secretário-geral do PSD, não passava de uma “banhada”, pois Rio exige aos outros aquilo que não exige aos que estão ao seu lado. A resistência do líder do PSD em pedir a demissão de Feliciano Barreiras Duarte e agora de José Silvano são exemplo da pior forma de fazer política baseada na lealdade partidária, onde as “obediências” são mais importantes do que a ética. Para quem se apresentava como exemplo de transparência, Rio desilude: será que para o líder do PSD o caso das “presenças-fantasma” de José Silvano no parlamento não é suficiente para exigir a sua demissão?

Como se não bastasse não demitir o seu secretário-geral, Rio procura evitar explicações públicas, respondendo em alemão a uma jornalista que o interpelava sobre o caso. Ignorará o líder do PSD que, ao desrespeitar a jornalista, estava a desrespeitar não só o órgão de comunicação social para quem a profissional trabalha, mas muito mais importante do que isso, estava desrespeitar os portugueses? Se pusermos de lado o pedantismo, aquilo que sobra é uma profunda soberba e provincianismo. Rio pode ter estudado no Colégio Alemão e falar um alemão suficiente, falta-lhe tudo o resto que não se aprende em colégios: frontalidade, carisma e liderança. Rio é a prova que um bom presidente de câmara não é sinónimo de bom líder partidário.

O caso de José Silvano revela também como os partidos com assento parlamentar procuram evitar o confronto quando o que está em causa é o funcionamento da Assembleia da República. Porventura como no caso das moradas falsas para obtenção indevida de subsídios, todos terão telhados de vidro, o que diz muito do funcionamento da Assembleia, pelo que talvez esteja na hora de instituir o uso de dados biométricos no controlo da assiduidade dos senhores deputados…

A desconfiança generalizada dos portugueses em relação à classe política levará mais cedo ou mais tarde à procura de alternativas, pelo que depois não valerá a pena chorar, apelidando quem aí vier de fascista, radical ou extremista, pois todos os partidos serão responsáveis por não serem capazes ou não quererem reformar o funcionamento da democracia, começando pela sua própria casa, a AR. Um parlamento porventura mais pequeno e com deputados mais bem pagos em regime de exclusividade contribuiria para atenuar a desconfiança com que os portugueses hoje olham para quem os representa, pelo que este deveria ser um esforço de todos, dos que hoje já têm assento na AR e daqueles que têm o desejo de um dia lá chegar. Quem quer mudar o país deve ter a capacidade de reconhecer as limitações e fragilidades do sistema político e contribuir para o fortalecer.

Já dizia Goethe que “nem todos os caminhos são para todos os caminhantes”. O futuro encarregar-se-á de demonstrar se o caminho escolhido por Rio de submissão a Costa, procurando evitar o confronto e preferindo a oposição “low-profile”, será a melhor para atingir o seu objectivo: ser apenas vice-PM.

Médico

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Transportes Públicos

A sul algo de novo

Diogo Prates
495

Um povo que em nada beneficia com as constantes greves dos serviços públicos de transportes começa a perceber o logro do discurso do PCP. É o povo que também sabe comparar a Transtejo com a Fertagus.

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
249

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Governo

Portugal atrasado, Portugal adiado

Tiago Sousa Dias
100

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar a renda de casa nos nossas cidades. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)