Aquilo que há muito se suspeitava veio agora confirmar-se: Rui Rio desistiu de ser um dia primeiro-ministro. Só alguém que já não acalenta a esperança de ser PM poderia dar-se ao luxo de responder numa língua estrangeira a um jornalista. O “banho de ética” que Rio prometeu, já se tinha percebido no caso do CV adulterado do anterior secretário-geral do PSD, não passava de uma “banhada”, pois Rio exige aos outros aquilo que não exige aos que estão ao seu lado. A resistência do líder do PSD em pedir a demissão de Feliciano Barreiras Duarte e agora de José Silvano são exemplo da pior forma de fazer política baseada na lealdade partidária, onde as “obediências” são mais importantes do que a ética. Para quem se apresentava como exemplo de transparência, Rio desilude: será que para o líder do PSD o caso das “presenças-fantasma” de José Silvano no parlamento não é suficiente para exigir a sua demissão?

Como se não bastasse não demitir o seu secretário-geral, Rio procura evitar explicações públicas, respondendo em alemão a uma jornalista que o interpelava sobre o caso. Ignorará o líder do PSD que, ao desrespeitar a jornalista, estava a desrespeitar não só o órgão de comunicação social para quem a profissional trabalha, mas muito mais importante do que isso, estava desrespeitar os portugueses? Se pusermos de lado o pedantismo, aquilo que sobra é uma profunda soberba e provincianismo. Rio pode ter estudado no Colégio Alemão e falar um alemão suficiente, falta-lhe tudo o resto que não se aprende em colégios: frontalidade, carisma e liderança. Rio é a prova que um bom presidente de câmara não é sinónimo de bom líder partidário.

O caso de José Silvano revela também como os partidos com assento parlamentar procuram evitar o confronto quando o que está em causa é o funcionamento da Assembleia da República. Porventura como no caso das moradas falsas para obtenção indevida de subsídios, todos terão telhados de vidro, o que diz muito do funcionamento da Assembleia, pelo que talvez esteja na hora de instituir o uso de dados biométricos no controlo da assiduidade dos senhores deputados…

A desconfiança generalizada dos portugueses em relação à classe política levará mais cedo ou mais tarde à procura de alternativas, pelo que depois não valerá a pena chorar, apelidando quem aí vier de fascista, radical ou extremista, pois todos os partidos serão responsáveis por não serem capazes ou não quererem reformar o funcionamento da democracia, começando pela sua própria casa, a AR. Um parlamento porventura mais pequeno e com deputados mais bem pagos em regime de exclusividade contribuiria para atenuar a desconfiança com que os portugueses hoje olham para quem os representa, pelo que este deveria ser um esforço de todos, dos que hoje já têm assento na AR e daqueles que têm o desejo de um dia lá chegar. Quem quer mudar o país deve ter a capacidade de reconhecer as limitações e fragilidades do sistema político e contribuir para o fortalecer.

Já dizia Goethe que “nem todos os caminhos são para todos os caminhantes”. O futuro encarregar-se-á de demonstrar se o caminho escolhido por Rio de submissão a Costa, procurando evitar o confronto e preferindo a oposição “low-profile”, será a melhor para atingir o seu objectivo: ser apenas vice-PM.

Médico