Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“À defesa do interesse nacional juntei algumas regras de comportamento que sempre considerei que deviam fazer parte da essência de um Presidente da República: respeitar os procedimentos e regras da democracia, representar o país com dignidade, defender a estabilidade política como pressuposto das mudanças necessárias ao desenvolvimento, não me envolver em disputas ou controvérsias político-partidárias, não permitir a instrumentalização da figura do Presidente, ser isento em relação às diferentes forças partidárias e às naturais tensões entre Governo e oposição, falar verdade aos portugueses e não dizer às pessoas apenas aquilo que elas gostam de ouvir, adoptar uma atitude formal e de algum distanciamento em relação ao primeiro-ministro e aos líderes partidários para não ser visto pelos eleitores como favorecendo qualquer um deles, não alimentar tertúlias de intriga política ou de oposição a quem quer que seja. No fundo, estar ao serviço de Portugal e dos portugueses e não de qualquer grupo, ser Presidente da República e não Presidente da direita ou da esquerda, ser reserva de último recurso em caso de crise grave.”

A citação foi retirada das memórias de Cavaco Silva sobre a sua Presidência, em parte pré-publicadas na edição do Expresso deste fim-de-semana. O interessante não é o que aqui se escreve sobre o passado – não surpreenderá ninguém que Cavaco tenha tido uma visão rigorosamente institucional das suas funções políticas. O interessante esconde-se na constatação das diferenças entre esse passado não tão longínquo e o nosso presente. Goste-se ou não de Cavaco Silva, aprecie-se ou não Marcelo Rebelo de Sousa, o que os separa é inequívoco: Marcelo não poderia escrever semelhante parágrafo acerca da sua Presidência.

Após quase um ano em Belém, Marcelo dobrou procedimentos e regras protocolares do regime. Envolveu-se em disputas partidárias, por exemplo imiscuindo-se das questões internas da liderança no PSD. Permitiu a instrumentalização da Presidência por parte do Governo, que a usa como factor de legitimação. Revelou-se incapaz de isenção, sendo por isso visto como mais próximo de Costa do que de Passos – e, de resto, assumiu-se como advogado de defesa do ministro das Finanças no caso da CGD, em relação ao qual já ninguém duvida dos seus erros. Ainda, Marcelo descreveu reiteradamente a situação financeira do país em tons que não coincidem com a realidade. Fez da “descrispação” a sua bandeira – quando esta não passa de uma fraude. E aproximou-se tanto do primeiro-ministro e do governo que, não raras vezes, mais do que porta-voz, parece ser ele quem toma as decisões – tudo passa por ele, é ele o primeiro-ministro do primeiro-ministro e o ministro de cada ministro.

Dir-me-ão que os estilos de Marcelo e de Cavaco são diferentes. Sim, isso já se sabia. O que se está a descobrir são os efeitos práticos dessas diferenças nos seus mandatos. Por um lado, o distanciamento de Cavaco Silva permitiu-lhe ser um Presidente institucional e previsível, que seguiu à risca os limites constitucionais dos seus poderes. E por mais que se possa ter discordado das suas decisões (diga-se, algumas vezes erradas), nunca foi possível alegar surpresa, já que todas foram sustentadas em avisos lançados atempadamente – o que, efectivamente, foi factor de estabilidade política. Por outro lado, a maior proximidade de Marcelo começou nos afectos e converteu-se em atropelamento institucional. Marcelo opera semanalmente fora dos limites dos seus poderes, pisando terrenos do governo, o que o compromete excessivamente com a situação política. E, pior, torna-o imprevisível face ao futuro. Ninguém sabe o que Marcelo realmente defende. Ninguém o acha suficientemente distanciado do governo ou das tricas partidárias do PSD para avaliar com isenção. Ninguém o vê como reserva de último recurso do regime porque é ele quem se põe na primeira fila de cada decisão. E ninguém consegue antecipar o que fará perante uma situação de crise política.

Isto é um problema que só a popularidade de Marcelo permite camuflar. A monotonia de Cavaco Silva foi uma virtude, porque traduziu previsibilidade institucional. É assim que se faz nas democracias consolidadas: confia-se nas regras que enquadram a acção política para não se depender da arbitrariedade das pessoas que ocupam o poder. Marcelo, inquieto e omnipresente, quis fazer diferente. Sim, é mais popular do que Cavaco. Mas tudo na sua Presidência é menos transparente, previsível, escrutinável, coerente e imparcial.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR