António Costa

Um homem sem convicções /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho
1.149

Há estadistas que mudaram de lado para melhor protegerem as suas convicções. António Costa muda de convicções para melhor proteger o seu lado. E isso não é bem a mesma coisa, pois não?

No dia em que Pedro Passos Coelho saiu do parlamento, o insuspeitíssimo Eduardo Ferro Rodrigues disse sobre o ex-primeiro-ministro: “Merece a consideração e o respeito de todas as bancadas e, em primeiro lugar, do presidente da Assembleia da República pela forma correta e convicta com que defendeu sempre os seus pontos de vista”. Sublinho aqui a palavra “convicta”. Vinte dias antes, em jeito de despedida, Passos proferiu um dos seus mais notáveis discursos enquanto líder do PSD. Em Lisboa, avisou: “Nós temos de saber onde moram as nossas convicções. Quando não percebemos o que queremos, o resultado é uma quebra de confiança. Uma quebra de confiança que se paga sempre. É uma questão de tempo”. Sublinho novamente a utilização da palavra “convicções”.

O ponto que pretendo recordar é que Passos Coelho, independentemente da fidelidade política dos seus observadores, foi sempre reconhecido como portador de convicções – até pelos seus críticos e adversários. Dentro do seu partido, aliás, a perseverança dessas convicções – a “obstinação” ou “teimosia” – era juízo corrente. Se olharmos para outro espectro ideológico e geracional, também é possível reconhecer casos paralelos. Ninguém duvida, por exemplo, que Pedro Nuno Santos é um socialista com convicções. O modo como o secretário de Estado se vem demarcando do crescente cinismo de António Costa em relação aos seus parceiros de governo é prova disso. Pessoalmente, posso não concordar com nada do que Pedro Nuno defende – mas estou certo que ele acredita no que defende. À direita e à esquerda, portanto, tal trata-se de um ativo político por motivos simples: não há carisma sem crença, não há confiança naqueles que não acreditam em nada.

Esta semana, nesse sentido, assistimos a uma notória demonstração de ausência de convicções por parte do atual primeiro-ministro. O António Costa “chocado com a transmissão pela RTP de touradas” era o António Costa que antes tecera elogios públicos à “arte taurina”, exibindo assim um manifesto caso de dupla personalidade. As relativizações da humilhação variaram: tivemos propostas de “mudança de ideias” e até esclarecimentos sobre a diferença entre forcados e cavaleiros. Nenhuma ocultou satisfatoriamente o grau de incoerência a que Costa se sujeitou, mas é importante dar-lhes resposta. É óbvio que os políticos têm direito a mudar de opinião – Churchill mudou de partido duas vezes –, mas a história dos estadistas mostra-nos que estes mudavam de lado para melhor protegerem as suas convicções. Costa, por outro lado, muda de convicções para melhor proteger o seu lado. E isso não é bem a mesma coisa, pois não?

O seu jeito amoral de fazer política – dizendo de tudo, não acreditando em nada – está muito para lá das touradas. Costa foi de considerar o Bloco de Esquerda “um partido inexistente” e uma “inutilidade total” para muito convenientemente convertê-lo num tão útil parceiro de governo. Foi de saudar a eleição de Tsipras como “um sinal” de mudança na Europa para depois se dizer “alinhado” com as reformas de Macron – flutuando do eurocepticismo para o federalismo consoante a paisagem. Foi também de ter uma bancada parlamentar contra “os falcões de Berlim” enquanto na oposição para sorrir ao lado de Merkel enquanto governo. E foi, claro, a favor do “fim da austeridade” para agora bater palmas ao défice zero. Em resumo, diz de tudo, não acreditando em nada. E se nem Costa acredita no que diz, quem é que pode acreditar?

A perda de confiança, como advertiu o seu antecessor, é só uma questão de tempo. E paga-se sempre.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Reconstrução /premium

Sebastião Bugalho
294

Hoje, em Portugal, há um Estado que falha a quem deveria servir e que cumpre com quem se serve dele. E é preciso reconstruir esse Estado. Devolver-lhe dignidade, restituir-lhe confiança.

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho
251

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)