António Costa

Um homem sem convicções /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho
1.149

Há estadistas que mudaram de lado para melhor protegerem as suas convicções. António Costa muda de convicções para melhor proteger o seu lado. E isso não é bem a mesma coisa, pois não?

No dia em que Pedro Passos Coelho saiu do parlamento, o insuspeitíssimo Eduardo Ferro Rodrigues disse sobre o ex-primeiro-ministro: “Merece a consideração e o respeito de todas as bancadas e, em primeiro lugar, do presidente da Assembleia da República pela forma correta e convicta com que defendeu sempre os seus pontos de vista”. Sublinho aqui a palavra “convicta”. Vinte dias antes, em jeito de despedida, Passos proferiu um dos seus mais notáveis discursos enquanto líder do PSD. Em Lisboa, avisou: “Nós temos de saber onde moram as nossas convicções. Quando não percebemos o que queremos, o resultado é uma quebra de confiança. Uma quebra de confiança que se paga sempre. É uma questão de tempo”. Sublinho novamente a utilização da palavra “convicções”.

O ponto que pretendo recordar é que Passos Coelho, independentemente da fidelidade política dos seus observadores, foi sempre reconhecido como portador de convicções – até pelos seus críticos e adversários. Dentro do seu partido, aliás, a perseverança dessas convicções – a “obstinação” ou “teimosia” – era juízo corrente. Se olharmos para outro espectro ideológico e geracional, também é possível reconhecer casos paralelos. Ninguém duvida, por exemplo, que Pedro Nuno Santos é um socialista com convicções. O modo como o secretário de Estado se vem demarcando do crescente cinismo de António Costa em relação aos seus parceiros de governo é prova disso. Pessoalmente, posso não concordar com nada do que Pedro Nuno defende – mas estou certo que ele acredita no que defende. À direita e à esquerda, portanto, tal trata-se de um ativo político por motivos simples: não há carisma sem crença, não há confiança naqueles que não acreditam em nada.

Esta semana, nesse sentido, assistimos a uma notória demonstração de ausência de convicções por parte do atual primeiro-ministro. O António Costa “chocado com a transmissão pela RTP de touradas” era o António Costa que antes tecera elogios públicos à “arte taurina”, exibindo assim um manifesto caso de dupla personalidade. As relativizações da humilhação variaram: tivemos propostas de “mudança de ideias” e até esclarecimentos sobre a diferença entre forcados e cavaleiros. Nenhuma ocultou satisfatoriamente o grau de incoerência a que Costa se sujeitou, mas é importante dar-lhes resposta. É óbvio que os políticos têm direito a mudar de opinião – Churchill mudou de partido duas vezes –, mas a história dos estadistas mostra-nos que estes mudavam de lado para melhor protegerem as suas convicções. Costa, por outro lado, muda de convicções para melhor proteger o seu lado. E isso não é bem a mesma coisa, pois não?

O seu jeito amoral de fazer política – dizendo de tudo, não acreditando em nada – está muito para lá das touradas. Costa foi de considerar o Bloco de Esquerda “um partido inexistente” e uma “inutilidade total” para muito convenientemente convertê-lo num tão útil parceiro de governo. Foi de saudar a eleição de Tsipras como “um sinal” de mudança na Europa para depois se dizer “alinhado” com as reformas de Macron – flutuando do eurocepticismo para o federalismo consoante a paisagem. Foi também de ter uma bancada parlamentar contra “os falcões de Berlim” enquanto na oposição para sorrir ao lado de Merkel enquanto governo. E foi, claro, a favor do “fim da austeridade” para agora bater palmas ao défice zero. Em resumo, diz de tudo, não acreditando em nada. E se nem Costa acredita no que diz, quem é que pode acreditar?

A perda de confiança, como advertiu o seu antecessor, é só uma questão de tempo. E paga-se sempre.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Revolução

2019 e a natureza das revoluções /premium

Sebastião Bugalho

Em 2015 Portugal saiu das legislativas num clima “polarizado” e “crispado”. Quatro anos depois todos os partidos com assento parlamentar, da esquerda à direita, acabaram a aprovar as metas de Bruxelas

Governo

Portugal atrasado, Portugal adiado

Tiago Sousa Dias
257

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar a renda de casa nos nossas cidades. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos

Governo

Mais uma remodelação… /premium

Manuel Villaverde Cabral

Com o amontoado de problemas social e financeiramente relevantes por resolver, como a saúde e a instrução públicas, ou as reformas e pensões, não serão as eleições europeias que farão muita diferença.

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)