480kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Dinheiro, poder, luxo, intriga, festas. Do glamour à decadência, a saga da casa histórica da família Espírito Santo

Da estadia dos duques de Windsor cercados por espiões aos casamentos e Natais da família. As histórias (e as plantas) do palacete de Verão comprado por Ricardo Espírito Santo há oito décadas.

    Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A intenção de comprar “a casa de Cascais na Estrada da Boca do Inferno” surge pela primeira vez numa carta escrita pelo próprio Ricardo Espírito Santo, avô de Ricardo Salgado, em 7 de Novembro de 1932. Foi o ano em que se tornou presidente do banco com o nome da família, quando tinha 32 anos, substituindo o irmão mais velho, depois de um escândalo amoroso. José Espírito Santo estava apaixonado por Vera Cohen, a cunhada do seu irmão Ricardo. Mas tanto ele como ela eram casados. No fim deste ano, enviou-lhe um bilhete: “Faz a mala que eu vou-te mandar raptar”. Ostracizados pela alta sociedade portuguesa e até por uma parte da família, fugiram de comboio para Paris, onde ficaram a viver. Foi por isso que o avô de Ricardo Salgado comprou as ações ao irmão e passou a liderar o Banco Espírito Santo, onde tinha sido secretário-geral nos 12 anos anteriores.

Ricardo Espírito Santo em 1931, um ano antes de assumir a presidência do banco, depois do escândalo amoroso do irmão (Fonte: Ricardo do Espírito Santo Silva: coleccionador e mecenas)

DR

Rapidamente se tornou um dos homens mais influentes na economia portuguesa, uma espécie de primeira versão do Dono Disto Tudo, a alcunha aplicada ao seu neto oito décadas mais tarde. Era ao mesmo tempo um ávido colecionador de antiguidades, desde que comprou o primeiro tapete com apenas 16 anos, o que levou aliás a que os irmãos fizessem troça dele quando entrou em casa. Ao longo da vida, juntou tantos quadros, esculturas, porcelanas, azulejos e móveis antigos, que se dedicava a decorar não só as suas casas como também, mais tarde, as das suas quatro filhas. “O meu avô fazia casas para as filhas e dava-as completamente decoradas. Era só levar a escova de dentes”, recorda ao Observador uma das suas netas, que pediu para não ser identificada.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.