Rádio Observador

Jornalismo

É contra a direita? Então vale tudo /premium

Autor
651

A campanha do Guardian contra Boris Johnson mostra como o jornalismo de esquerda, perante os políticos de direita, recorre a todos os truques sujos de que normalmente acusa esses políticos.

De um lado, temos Boris Johnson, do outro o Guardian. Johnson, candidato à liderança do Partido Conservador, pode ser o próximo primeiro-ministro do Reino Unido e foi um dos promotores do Brexit. O Guardian é o jornal de referência da esquerda britânica e defende a opção de ficar na UE. Por isso, o Guardian, nos últimos dias, sentiu que tinha o direito de publicar fotos do interior do carro de Boris Johnson, e depois as gravações que uns vizinhos fizeram de uma discussão que Johnson teve dentro de casa com a sua namorada. Esses vizinhos parecem ser esquerdistas que já tinham insultado Johnson na rua. Desta vez, mal ouviram discutir, chamaram a polícia e, inspirados talvez pelo agente da Stasi do filme A Vida dos Outros, fizeram a gravação, que passaram imediatamente ao jornal. O Guardian não hesitou em publicar. Métodos de pasquim intrusivo, como os que desacreditaram alguns tabloides britânicos há alguns anos? Segundo o Guardian, é o “interesse público” que manda saber, por quaisquer meios, se Johnson aspira o carro ou levanta a voz em casa.

Todas as semanas, o Guardian tem artigos exaltados sobre Trump, as redes sociais, e, desde que consta que Trump é amigo de Putin, a ameaça russa. São, segundo o Guardian, os problemas da democracia. Talvez sejam, mas esta história mostra que não são os únicos. O Guardian não quer construir muros na fronteira, não é uma invenção de Mark Zuckerberg, nem – tanto quanto sabemos — um instrumento de Putin. Mas não se importa de publicar fotos do interior do carro de um político, para insinuar que é desarrumado, ou dar conta das discussões que, dentro de casa, tem com a sua namorada, para deixar no ar a suspeita de violência doméstica (embora a polícia não tivesse detectado mais do que uma querela trivial). Porquê? Porque esse político representa opções de que o jornal não gosta, e, portanto, contra ele tudo é legítimo, incluindo a violação da privacidade e sugestões malévolas.

Boris Johnson não será um santo. Mas perante Johnson, tal como perante Trump, o jornalismo de esquerda parece sofrer do complexo de Nixon. Nixon convenceu-se de que os seus inimigos faziam jogo sujo: só por isso, segundo ele, teria perdido as eleições em 1960. Daí que, quando chegou à presidência, em 1969, tivesse decidido também ele jogar sujo. É o álibi do costume para qualquer abuso: todos, antes de serem indecentes, têm o cuidado de se persuadir de que os seus adversários estão a fazer o mesmo, e de que portanto vale tudo.

Não, o problema não são só Trump e as redes sociais. Também não é só o jornalismo de esquerda, aliás: os rivais de Johnson na eleição do Partido Conservador aproveitaram logo a boleia do Guardian para minar o seu favoritismo. O problema é de quase toda a gente, embora seja sempre mais fácil vê-lo nos nossos adversários.

Os consensos do pós-guerra fria romperam-se perante a recessão de 2008, a crise das migrações de 2015 e o declínio do Ocidente. Voltámos a discutir a política como se tudo o que é fundamental estivesse em causa. No Reino Unido, a esquerda acredita que Johnson quer fazer do país uma Singapura em ponto grande, e a direita acusa Corbyn de sonhar com uma Venezuela europeia. E provavelmente, tudo está mesmo em causa, mas não como os políticos dizem, isto é, só porque haja outros políticos a conspirar. De facto, os constrangimentos financeiros e sociais do Ocidente dificultam mudanças radicais em qualquer sentido, como Boris Johnson, a propósito do Brexit, já admitiu. O declínio é um risco maior do que a revolução. Mas talvez por isso, para de algum modo compensar a impotência, a política fez-se mais facciosa e desregrada. Não é a primeira vez: também foi no fim que os bizantinos mais se engalfinharam por causa do sexo dos anjos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)