Rádio Observador

PS

Não subestimem Pedro Nuno Santos /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho

A ideia de que o pedronunismo se resume a um fenómeno ativista é profundamente desinformada: eles andam aí, nas agências de publicidade, nos escritórios de advogados, nas vilas de Aveiro, nas redações

A demonização e o deslumbramento dizem-nos pouco sobre os protagonistas políticos. Nos corredores da direita, que são os meus, Pedro Nuno Santos é um radical de esquerda, um eurocético desmedido, filho de um ex-MRPP (quem não?), encantador dos extremismos da nossa Assembleia e amante das mais revolucionárias tentações. Foi, afinal, o empreiteiro da ‘geringonça’, o que não se perdoa. Até entre os senadores do seu partido há um certo receio sobre o futuro devido a essa radicalização dos jovens turcos – entretanto feitos jovens governantes. E tão bom que seria, para nós, que o Partido Socialista, em vez de ser o Partido Socialista, viesse a ser tudo isso. Ora, a direita pode continuar a sonhar com a facilidade de um PS ideologicamente descontrolado, mas temo que os nossos próximos adversários sejam muito menos daquilo que parecem. O que se passa no PS não tem nada a ver com ideologia: tem a ver com poder e tem a ver com personalidades.

Não é, nesse sentido, possível falar sobre o Partido Socialista (poder) sem olhar para Mário Soares (personalidade), havendo em ambos uma dose de situacionismo e previsível imprevisibilidade que desaconselha o rótulo. Soares, como biografou Joaquim Vieira, teve um percurso tudo menos linear: “foi comunista antes de ser anticomunista, foi contra a NATO antes de subscrever a Carta do Atlântico, foi defensor da nacionalização dos setores económicos estratégicos antes de condenar a sua execução”.

Este elogio da superficialidade – termo do biógrafo – como algo inerente à política é uma boa janela para analisar Pedro Nuno Santos e o que será da esquerda no médio prazo. Se mudarmos de espectro e nos reaproximarmos no tempo, Vasco Pulido Valente concedeu uma entrevista ao DN, em janeiro deste ano, cujo nome mais referido foi, para eventual pasmo do próprio, Pedro Nuno Santos. Ver o cronista da República oferecer tamanha atenção a um secretário de Estado não deixou, à data, de aparentar simbolismo. Disse o historiador que o discurso de Pedro Nuno é “de muitas maneiras pertinente e com uma certa visão do futuro”, “que entende o mundo em que vive”, constatando “a importância que tem vindo a ganhar no PS” e, em apoteose, considerando que Pedro Nuno “responde mais à sociedade que temos do que qualquer outro político em Portugal”. Recito: “do que qualquer outro político em Portugal”. Não o subestimem.

À direita, matar-se-ia por uma observação semelhante de Vasco Pulido Valente. Mas a direita, para não variar, está ocupada a matar outras coisas, nomeadamente a si mesma.

É verdade, como avaliou VPV, que Pedro Nuno “entende o mundo em que vive”. E é um facto que um radical de esquerda, eurocético desmedido ou amante de tentações revolucionárias não entenderia. A direita, antes que seja demasiado tarde, precisa de preparar-se para isso. A ideia de que o pedronunismo se resume a um fenómeno ativista é profundamente desinformada: eles andam aí, nas agências de publicidade, nos escritórios de advogados, nas vilas de Aveiro, nas redações dos jornais. Não o subestimem. Pé ante pé, o agora ministro irá ensaiar um assalto a todas as bandeiras que, à direita, nos são caras – as reformas estruturais, mobilizando a tal resposta “à sociedade que temos”; a realidade dos problemas, como Miguel Pinheiro recentemente saudou na rádio Observador; as empresas, lembrando que foi criado por um industrial e que preferiu a fábrica do pai ao governo de Sócrates; a família, mostrando a sua como mostra desde a licença de paternidade; o comunitarismo, como aludiu aos emigrantes no dia de Portugal – e fá-lo-á com o apoio da esquerda, isto é, com uma legitimidade política e social difícil de bater, como os últimos quatro anos de ‘geringonça’ forçosamente demonstraram.

Dir-me-ão que, entre a superficialidade das conjunturas e a profundidade das convicções, ainda não sabemos com exatidão onde está Pedro Nuno – o que também não é mentira. Os avanços e recuos no dossier TAP, o pedir “desculpa” no parlamento pelos erros de um ex-colega, o “nunca mais precisaremos da direita para governar”, a demissão da bancada por causa de um tratado orçamental, o “até lhes tremem as pernas”, entre outras, revelam um voluntarismo caraterístico, por vezes vulnerável e excessivamente contrastante com o atual primeiro-ministro, que é quem manda. Em outubro, além disso, os socialistas deverão ter um líder parlamentar distante da ala pedronunista e o político hoje mais lido na imprensa portuguesa é, justamente, um rosto dessa ala distante: Sérgio Sousa Pinto.

Não há, portanto, condições para profetizar um caso de sucesso, independentemente da sua previsível imprevisibilidade. Mas não o subestimem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A alegada universalização do passismo /premium

Sebastião Bugalho
417

O problema de admitir que a falta de dinheiro não mudou com a ideologia é que toda a porcaria que foi escrita contra Passos (o "ajoelhar" a Merkel...) era, no fim do dia, apenas lidar com a realidade.

Corrupção

E da crise do PS? Não se fala? /premium

Sebastião Bugalho
596

O PS tem de decidir se quer ser um partido verdadeiramente ativo contra a corrupção ou um partido cujo silêncio não significará mais do que complacência perante a sua própria identidade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)