Rádio Observador

Migrações

Por favor, poupem-nos à política das emoções /premium

Autor
684

Não podemos aceitar que uma história comovente, como a do salvador português, baste para encerrar o debate sobre as migrações ilegais para a Europa. Porque não é questão que se resolva só com emoções.

Um jovem português diz-nos que não pede o passaporte para salvar alguém que se esteja a afogar, e eu digo: muito bem. Os seus amigos dizem-nos que não devemos discutir o que ele fez, agora que se trata de lhe salvaguardar os direitos perante os tribunais italianos, e eu digo outra vez: muito bem. Sim, estou de acordo: um náufrago, seja quem for, deve ser salvo, e um cidadão português, faça o que fizer, deve ter a devida assistência quando confrontado com justiças estrangeiras. Peçam-me para acreditar em tudo isso, que eu acredito. Só não me peçam é que aceite que uma história comovente baste para encerrar o debate sobre as migrações ilegais para a Europa.

É louvável estar num barco na costa líbia para impedir migrantes clandestinos de se afogarem; mas é talvez menos louvável que esse barco sirva para os transportar depois para a Europa, facilitando assim o trabalho das redes de tráfico de pessoas. A migração deriva, como é óbvio, do desnível de riqueza e de segurança entre a nossa parte do mundo e as que lhe estão próximas. Mas também é causada pela percepção de que é fácil entrar na Europa e imediatamente remunerador. Só assim tanta gente se dispõe à lotaria de travessias controladas pelo crime organizado. Contribuir para essa percepção é criar ilusões que só servirão para pôr ainda mais gente em risco.

Dir-me-ão: devemos então deixar morrer os migrantes que se perdem no mar? Claro que não. Isso significaria renunciar àquilo que somos e representamos. Mas de outra maneira, o que somos e o que representamos também está em causa quando, violando a lei, os migrantes desembarcam. Não, as coisas não são simples.

A Europa precisa de migrantes. Não apenas porque a sua população não se reproduz, mas porque as nações europeias sempre se reforçaram acolhendo estrangeiros desejosos de viver como se vive nessas nações e até fazer parte delas. A Europa, porém, não precisa de um afluxo descontrolado e caótico de pessoas oriundas de outros continentes. Porque a Europa não é apenas territórios, mercados ou sistemas de segurança social: a Europa consiste em comunidades históricas que dão sentido a esses territórios e que são o fundamento último desses sistemas e desses mercados. Pôr essas comunidades em causa é arriscar tudo, inclusive o que atrai os migrantes para a Europa.

O problema não está apenas nos números, que caíram depois da maré cheia de 2015. Está no facto de nunca as migrações terem incluído tantos grupos que recusam valores consensuais na Europa, como se deduz do alastrar do anti-semitismo protagonizado por migrantes do Médio Oriente. E está ainda na capacidade das sociedades europeias — já divididas por guerras culturais e com economias relativamente estagnadas —  integrarem os recém-chegados. Uma entrada maciça e desregrada só poderia resultar em mais guetos e em mais votos “populistas”. Nessas circunstâncias, os migrantes correriam o risco de reproduzir involuntariamente na Europa as situações de que fogem noutros continentes. As pequenas Somálias que agitam alguns subúrbios escandinavos não são necessariamente o futuro, mas dão uma ideia do pior cenário possível.

Toda a gente, aliás, percebe isso, e daí a hipocrisia dos governos europeus, que ao mesmo tempo que salvam as suas faces humanitárias com comovidas palavras sobre os “refugiados”, pagam ao ditador turco Erdogan e às milícias líbias para conter ao longe os ditos refugiados. As fronteiras europeias estão hoje subcontratadas à Turquia e aos senhores da guerra do Norte de África. Quanto à opção de reordenar o resto do mundo com intervenções e ajudas humanitárias, basta pronunciar as palavras Iraque, Líbia, etc. Não, a questão não é mesmo nada simples, e a política das emoções não a torna mais simples.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)