Ontem, Portugal teve o pior dia de infecções desde 10 de Abril. Em Abril, estávamos fechados em casa. Agora, pedem-nos para irmos à escola, embora de máscara. Que vão fazer se o número de infecções continuar a subir? Não sabemos, mas podemos desconfiar de uma coisa: não vão fazer como em Março, quando fecharam tudo. Que mudou desde então? Dizem-nos que, apesar da escalada da epidemia, há menos mortos, que os infectados são agora gente resiliente, que o mundo, afinal, não vai acabar. Mas há outra razão.

Entre Março e Maio, perante o novo coronavírus, os governos reagiram com uma quarentena medieval. Em sociedades como as de hoje, os danos decorrentes só poderiam ser tremendos: falências, desemprego, endividamento, privação de cuidados de saúde e falta de condições adequadas de aprendizagem escolar. As consequências só serão conhecidas daqui a uns anos. Entretanto, sabemos que o PIB português desceu, por um trimestre, ao nível de 1999, o que confere mais ou menos com o retrocesso civilizacional de 25 anos estimado por Bill Gates. É esta a razão por que, desta vez, não será como em Março, mesmo sem vacina: nenhuma sociedade aguentará outra passagem pelo inferno.

Ah, mas aplanou-se a curva das infecções na Primavera. Sim. Mas não teria havido outros meios? Imaginem, em Janeiro, governos que tivessem levado imediatamente a sério as notícias da epidemia na China. Imaginem, em Fevereiro, governos que tivessem imposto o uso generalizado de máscara de tipo cirúrgico, a desinfecção de mãos à entrada e saída de espaços públicos, e aconselhado ou imposto o distanciamento social. Imaginem, em Março, governos que tivessem percebido que a emergência estava nos lares de idosos, e tomado medidas enérgicas para garantir a sua segurança. Talvez tivesse sido possível dominar a curva e evitar mortes, sem privar tanta gente de rendimentos, de saúde, de educação e até de convívio humano, como muitos idosos e internados. Dir-me-ão: mas em Janeiro, ninguém imaginava; mas em Fevereiro, não havia máscaras nem gel; mas em Março, ninguém percebeu o que era prioritário. Então já não estamos a falar só da epidemia, mas de outras coisas: de imprevisão, de impreparação, e de erro.

Muito provavelmente não teria podido ser diferente. Porque a quarentena não foi um acaso, um mero expediente de último recurso, depois de outras políticas terem falhado. A quarentena foi mais do que isso. Na China, todos perceberam que correspondia ao carácter ditatorial do regime. Mas no Ocidente, com as suas democracias, não teria sido uma contradição? Não, no Ocidente, a quarentena também correspondeu ao carácter actual dos seus regimes. Vale a pena perceber isto, para perceber o que somos.

Nas democracias ocidentais, onde a autoridade política tem sido degradada pelas deslocações da globalização, nenhum governo partilha hoje qualquer visão ou projecto com os governados: ninguém, à esquerda, é hoje Clement Attlee em 1945, ou, à direita, Margaret Thatcher em 1979. Ninguém confia na organização da classe trabalhadora para nacionalizar a indústria, nem nas aspirações da classe média para liberalizar os mercados. O poder assenta em aglomerações de grupos de interesse, sem qualquer coesão ideológica ou solidariedade de classe, juntos apenas por uma comum dependência do Estado. O trabalho dos governantes é manter e disciplinar essa aglomeração. Por duas vias: fomentando o medo de qualquer mudança, de modo a manter toda a gente no mesmo lugar, e reforçando a dependência dos indivíduos e das famílias em relação ao poder, para limitar qualquer autonomia. Foi neste contexto que a opção da quarentena fez tanto sentido como na China ditatorial.

Em primeiro lugar, a quarentena, pelo seu aspecto drástico, adequou-se à mania apocalíptica com que os governantes agora discutem todas as questões, sempre como se o mundo estivesse para acabar. A quarentena vinha, por exemplo, ao encontro do que os sectários das “alterações climáticas” andam a pedir: uma demonstração de força do poder, que nos habituasse à ideia de que, para nos salvarmos, precisamos pôr-nos completamente à mercê do Estado, e comportar-nos como nos mandam. Não há hoje, aliás, outro fundamento para o poder político no Ocidente, a não ser a sua apropriação das expectativas de salvação associadas às religiões. O encerramento das igrejas e dos templos dos antigos cultos foi outra maneira de sugerir que há um só deus, e se chama Estado, o qual tudo pode.

Em segundo lugar, a quarentena foi a maneira de preservar um dos elementos fundamentais do sistema de dependência que sustenta o regime político: os serviços públicos de saúde. Na Primavera deste ano, a principal preocupação dos governantes, aqui e neste país, foi defender esses serviços contra uma eventual procura que não estariam em condições de satisfazer. Mais do que o caos nas urgências e unidades de cuidados intensivos, temeram que esse caos, devidamente filmado, servisse para desacreditar o regime. O SNS é propagandeado como a nossa defesa. De facto, fomos nós que, além de o pagar, o tivemos de defender, perdendo o emprego, abrindo falência, não indo à consulta, voltando à telescola, e ficando isolados.

No fim, a quarentena reforçou estes regimes: ampliou os poderes do Estado, e agravou a dependência das populações, agora ainda mais controladas e mais destituídas. Mas não foi tudo isto aconselhado pela “ciência”? A “ciência” é o refúgio final da actual oligarquia. Justificar “cientificamente” uma opção só lhe interessa na medida em que lhe permita tratar qualquer alternativa como monstruosa. Onde a ciência fala, todos se deviam calar. Acontece que a ciência fala muito, mas nem sempre para dizer as mesmas coisas. Como neste caso, em que ainda está para se decidir se o coronavírus é a peste negra ou a gripe sazonal, ou nenhum dos dois. Há cientistas para todas as opiniões. Não é uma falha da ciência: é uma falha dos políticos que usam a ciência como um substituto dos dogmas das religiões. A ciência é conjectura, refutação e, por isso mesmo, discordância. Mas na política actual, a ciência serve apenas para cancelar discussões. No caso da quarentena, serviu para não descobrirmos se havia outras opções razoáveis.

Em Março, quando a epidemia começou, a oligarquia empurrou-nos para casa dizendo que era o fim do mundo, que os serviços públicos tinham de ser protegidos, e que era isso que a ciência mandava. Quase toda a gente acreditou e obedeceu. Apesar dos danos que infligiu à sociedade, a epidemia não correu mal aos nossos oligarcas: subiram nas sondagens, aumentaram os seus poderes, diminuíram a nossa autonomia. Agora, que a epidemia retomou, mas não convém irmos outra vez para casa, que nos vão dizer?