“OCDE baixa a previsão de crescimento em 2018 e 2019”. “INE confirma abrandamento da economia até Março”. “Número de pessoas empregadas cai há três meses”. “Europa pede nova ‘onda de reformas’”. “Subida dos preços acelera em maio para 1%”. Estes títulos são todos de artigos do Observador (desculpem, mas tenho de puxar pelas coisas da ‘casa’) de quarta-feira à tarde. Estavam arrumadinhos em duas linhas consecutivas. Olhando para eles pareciam aquelas trovoadas que se vêem ao longe no horizonte, ameaçadoras. Esperamos sempre que se dissipem, mas, pelo sim pelo não, corremos a apanhar a roupa e a pensar onde pusemos o guarda-chuva ou a gabardine.

Um pouco mais abaixo no nosso site estava outro título preocupante. Vou continuar na alegoria e falar num trovão. Dizia que os especialistas temem uma bolha imobiliária a curto prazo. Não sei se já conseguem ouvir o barulho lá ao longe?

E se a chuva de previsões e números pode ser tida como passageira e conjuntural, coisas próprias da Primavera económica do país, da Europa e do Mundo vêm raios que prometem prolongar a invernia. Depois do temporal das bolsas causado pela instabilidade italiana e pela incerteza espanhola, que fez estragos e causou prejuízos avultados nos juros e nos mercados, paira no ar aquela tensão pesada que antecipa a verdadeira borrasca.

É verdade que em Itália o La Liga e o Movimento 5 Estrelas chegaram novamente a acordo para formar Governo evitando para já novas eleições. Mas é impossível prever o que virá dali e que consequências terá para a Europa. Numa união entre populistas e eurocépticos, pouco importa que o escolhido para primeiro-ministro seja Giuseppe Conte, um professor universitário sem experiência política e a contas com falsidades no currículo. E também pouco vale que os partidos tenham deixado cair a proposta de Paolo Savona para a Economia e Finanças que o presidente Mattarella chumbou ao ver o quanto assustava a UE, até porque aceitou agora, para tentar impedir males maiores, que ele ocupe precisamente a pasta dos Assuntos Europeus.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.