Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Num país com uma real cultura de liberdade, os insultos via SMS que António Costa dirigiu ao jornalista João Vieira Pereira, director-adjunto do jornal Expresso, teriam merecido reprovação generalizada e embaraçado o líder socialista. Mas, como estamos em Portugal e como se trata de António Costa, foi apenas nota de rodapé durante um feriado. Imagine o que seria se o mesmo tivesse acontecido nos EUA, no Reino Unido ou em França. Ou, tão simplesmente, o que se diria caso o autor do SMS fosse Passos Coelho ou Miguel Relvas, em vez de António Costa. Quando a nossa disponibilidade para condenar ataques à liberdade de imprensa é selectiva, algo está mal. E é por isso que não é fácil desempatar e decidir o que é mais grave neste episódio: se o próprio SMS de António Costa ou se o facto de ninguém se ter realmente importado.

Como tantos outros, João Vieira Pereira fez o seu trabalho, analisou as propostas do cenário macroeconómico do PS e publicou a sua opinião. Concorde-se ou discorde-se, não há como justificar a opção de António Costa que, discordando, inventou um ataque ao seu carácter (num texto onde nem sequer é mencionado) e insultou o jornalista por SMS. Quando não se gosta do que está escrito num jornal, ignora-se ou exerce-se o direito de resposta, mas não se recorre ao insulto ou à intimidação. O que António Costa fez é, portanto, desprezível – viesse de quem viesse. Mas, vindo de um candidato a primeiro-ministro, é não só inaceitável como assume relevância política: representa um incómodo para com a liberdade e um prenúncio da perigosa relação de domínio que, aliado ao poder, António Costa tentará manter com a comunicação social. Basta recordar Sócrates e a sua “liberdade respeitosa” para saber que esta combinação de poder e mau feitio está longe de ser um pormenor sem importância.

É, no entanto, inquietante que quase toda a gente tenha preferido olhar para o lado, enterrando o episódio no baú dos fait-divers. Na comunicação social, por exemplo, o caso despertou apenas breves referências, o que é difícil de compreender num sector como o jornalístico, que sempre interpretou intimidações a um dos seus como um ataque generalizado ao jornalismo e à liberdade de imprensa – nomeadamente quando os ataques vêm de figuras políticas. Mais incompreensível ainda é a ausência de reacção oficial do Expresso, que optou por deixar ao seu director-adjunto o ónus de denunciar o caso na sua coluna de opinião, sem o apoio institucional de uma tomada de posição do jornal. No fundo, o Expresso desvalorizou o acto e agiu (até ao momento) como se António Costa não fosse candidato a primeiro-ministro e como se a intimidação de um director-adjunto não fosse uma agressão ao próprio jornal. Não defender os seus contra intimidações equivale a tolerá-las. Hoje foi João Vieira Pereira, amanhã será outro – da mesma forma que, da próxima vez, um outro político fará as vezes de António Costa.

Não é segredo que, da esquerda à direita, os políticos sentem a tentação de dominar os meios de comunicação. Em ano eleitoral, prevê-se aliás o aguçar dessa ambição e, nesse sentido, o acto de António Costa não é inovador – a novidade está na (ausência de) reacção ao seu SMS. Recorde-se que o Governo de Santana Lopes criticou a TVI por causa do espaço televisivo de Marcelo e fez, em 2005, campanha eleitoral contra os jornalistas. Que Sócrates processou mais de uma dezena de jornalistas, intimidou por telefone mais uns quantos e foi acusado de orquestrar a tentativa de compra da TVI. Que o deputado socialista Ricardo Rodrigues roubou gravadores a jornalistas da revista Sábado em plena entrevista. Que o ministro Miguel Relvas, em 2012, ameaçou e pressionou uma jornalista e uma editora do jornal Público. Que, recentemente, os partidos do arco de governação tentaram impor um visto prévio na cobertura mediática das campanhas eleitorais. E que todos estes casos foram severa e justamente criticados nos jornais e na opinião pública enquanto atentados à liberdade de imprensa. Todos, à excepção de um: o SMS de António Costa.

Dir-me-ão que cada caso é um caso e, em parte, talvez seja assim. Mas se começarmos a estabelecer excepções quanto ao respeito por princípios básicos de um regime democrático, como é a liberdade de imprensa, estaremos a abdicar do que temos de melhor. É estranho ter de o relembrar, mas as regras da liberdade aplicam-se a uns e a outros da mesma forma, sem privilégios. Dito de outro modo, nem António Costa nem outro político qualquer devem estar isentos de escrutínio ou poder enviar todos os SMS insultuosos contra jornalistas que o saldo do seu telemóvel permitir. É igual para todos. E quem achar que António Costa deve constituir excepção depois não se venha queixar.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR