Maioria de Esquerda

Porque é que eles não se preocupam

Autor
557

A oligarquia política não se preocupa com a maioria de esquerda porque acha que é Bruxelas quem manda, e que o governo de Portugal pode ser tratado como a câmara municipal de Lisboa.

Chegámos a isto: atreve-se um cidadão a duvidar da bondade da maioria de esquerda, e ei-lo acusado de nervosismo, traumatismo do PREC, extremismo de Guerra Fria, e não sei que outras lesões. É mesmo assim? Somos assim tão abjectos, os que não alinhamos com a calminha vigente? Façamos uma revisão da matéria dada.

Primeiro ponto: a política portuguesa tinha uma regra: o partido com mais votos tentava formar governo. Não estava escrita, mas representava um entendimento entre os actores políticos. A questão é: qual a vantagem de um novo regime onde o poder seja disputado sem regras nem moderação, por partidos desconfiados?

Segundo ponto: António Costa foi o grande vencido das eleições de 4 de Outubro. Falhou em tudo. Não teve uma maioria e ficou atrás da coligação. A questão é: Costa pode ser chefe do governo sem que a tremenda derrota eleitoral afecte a sua autoridade enquanto primeiro-ministro?

Terceiro ponto: António Costa propõe-se governar com o PCP e o BE. A questão é: a entrada abrupta na área da governação de partidos que repudiam os fundamentos da actual democracia, e que viabilizarão um governo de Costa apenas por razões tácticas (“expulsar a direita”), não justifica nem um reparo?

Perante tudo isto, a nossa oligarquia diz-nos que o que fica bem é aceitarmos tudo com “normalidade”, na desportiva, como meninos bonitos e sossegadinhos. Porquê? Porque 2015 não é 1975, e já não há COPCON, nem União Soviética? Mas o problema não é a repetição do PREC. É o risco para o regime da abolição das suas regras, do descrédito dos seus protagonistas, e da falta de clareza política. Teríamos eleições, mas ninguém saberia o que é ganhar ou perder. Continuaríamos a pregar os nossos valores, mas aceitaríamos governos integrados ou apoiados por quem nega ostensivamente esses valores. Nada disto tem importância? Se Catarina Martins não decretar a saída do euro depois da próxima reunião com Costa, não temos o direito de dizer nada?

Há uma razão para a oligarquia exibir tanta calma, tanta indiferença: chama-se Europa. A ideia é que qualquer governo de esquerda, num país entregue ao BCE, teria o destino do Syriza, que acabou a executar o que lhe mandam em Bruxelas. Não é já o Tratado Orçamental que Costa propõe como base de entendimento aos seus futuros parceiros? É curioso: os oligarcas queixam-se muito da “ditadura do dinheiro”, mas depois acreditam e confiam na “ditadura do dinheiro” para os poupar ao tipo de maçadas políticas que quase deram cabo da Europa no século XX. É isso que, de facto, lhes permite aceitar tudo serenamente, incluindo a  degradação das instituições e a polarização política da sociedade. Os comunistas e os neo-comunistas pensaram durante muito tempo que para chegar ao poder precisariam de convencer as pessoas de que outro mundo é possível. Mas é precisamente porque já ninguém acredita que outro mundo seja possível que os comunistas e os neo-comunistas talvez cheguem ao poder. Jerónimo de Sousa bem se pode dizer comunista. Para os oligarcas, ele “evoluiu”. Não o levam a sério.

Se António Costa anda por aí a cerzir a sua “frente popular”, é porque para os nossos oligarcas o governo já não está aqui, mas em Bruxelas. A oligarquia prepara-se para aceitar o BE e o PCP no governo como já os aceitou na vereação em Lisboa, porque do seu ponto de vista, Costa não será mais do que o presidente da câmara municipal de Portugal, pequeno concelho de um Estado imaginário cuja capital é em Bruxelas (ou em Berlim) e cuja lei de finanças locais até é muito restritiva.

A oligarquia do regime julga que Bruxelas lhe garante tudo, e que portanto não há perigo em jogar sem regras e em experimentar todos os golpes. É o efeito perverso da integração europeia: em vez de ser concebida como um factor de exigência, continua a ser encarada pelos nossos oligarcas como uma autorização de desleixo e complacência. Há aqui um paralelismo curioso, entre a evolução financeira e a evolução política da democracia portuguesa: até 2011, os oligarcas julgaram que o euro permitia todos os excessos orçamentais, sem consequências; agora, com o reforço do “governo europeu”, convenceram-se de que a tutela de Bruxelas tornou possível toda as brincadeiras políticas. Nunca o regime pareceu tão frágil, e nunca os seus donos se preocuparam tão pouco. Mas os deuses sempre cegaram aqueles a quem querem perder.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maioria de Esquerda

António Costa não vai mudar

Jose Pedro Anacoreta
532

Seja na oposição, seja num governo minoritário, seja ainda num governo maioritário, sabemos bem todas as coisas que podemos esperar de António Costa. Fazer reformas no tempo certo não é uma delas.

Maioria de Esquerda

Portugal ao lusco-fusco /premium

Paulo Tunhas
141

Tudo parece, sob a batuta de António Costa, viver numa atmosfera de incerteza em que nada é exactamente o que parece, numa ambiguidade organizada que cria as condições da sua própria perpetuação.

PGR

Estão a gastar a nossa herança!

Gonçalo Pistacchini Moita
412

Muitos de nós julgam saber o que levou António Costa a propor a substituição da Procuradora Geral da República. Poucos saberão, de facto, o que levou Marcelo Rebelo de Sousa a aceitá-la. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)