Rádio Observador

Espanha

Três avisos por causa das eleições espanholas /premium

Autor
196

O luxo de excluir partidos ditos de “extrema-direita” ou “extrema-esquerda” durou, após a Guerra Fria, apenas enquanto os outros partidos não precisaram deles para disputarem o poder.

Primeiro aviso: os sistemas eleitorais também “votam”. Para usar a arrumação que fazia ontem El País, excluindo naturalmente os partidos localistas, a direita em Espanha – PP, Ciudadanos, Vox e Navarra Suma (coligação de PP e Ciudadanos) – teve 11 276 920 votos e elegeu 149 deputados, e a esquerda – PSOE e Unidas Podemos – 11 213 684 votos e 165 deputados. Porque é que a esquerda, com menos votos, conseguiu mais deputados? Porque os seus eleitores concentraram-se no PSOE, enquanto os da direita se dispersaram. Em 2016, a direita obteve menos votos do que este ano (11 129 988), mas mais deputados (169) graças à convergência de votos no PP. O sistema é igual para todos, mas os eleitores da esquerda, este ano, usaram-no mais eficazmente. O problema da direita não está no desaparecimento do seu eleitorado, que aliás nunca foi tão grande em Espanha, mas na incapacidade do PP para evitar a sua fragmentação. Incapacidade que não se deveu certamente à sua suposta “radicalização”, porque se alguma coisa definiu os concorrentes que lhe disputaram os votos, o Vox e um Ciudadanos que prometeu nunca entender-se com o PSOE, não foi exactamente a “moderação”, signifique isso o que significar.

O segundo aviso é este: o poder numa conjuntura de prosperidade é remédio para todos os males. Há um ano, o PP estava no governo e o PSOE, após sete anos de oposição, tinha o Podemos a 1 ponto percentual de distância (22,6% vs. 21,15% nas eleições de 2016). Pedro Sánchez, na sua reedição como líder socialista, parecia um morto que se recusava a admitir que tinha morrido.  Passado um ano, a sua vitória não foi propriamente épica, mas graças à dispersão à direita e ao colapso da extrema-esquerda, o PSOE voltou a ser o maior partido (vale agora o dobro de votos do Podemos). Que se passou? Isto: em Junho de 2018, Sánchez decidiu ir para o governo custasse o que custasse. Muitos socialistas avisaram-no de que um partido social democrata, europeísta e constitucionalista não podia misturar-se com radicais e separatistas. Seria “perder o centro”, seria o suicídio. Sánchez percebeu que suicídio era continuar na oposição. Foi para o governo, contando com o Podemos e o independentismo catalão e basco. É verdade que teve vida incerta. Mas pôde aproveitar o trabalho de Mariano Rajoy, que equilibrara as contas do Estado e restabelecera o crédito, para regalar os dependentes do Estado. Ganhou assim o tal “centro”, que não se incomodou muito que ele andasse à boleia de “extremistas”. A sua sorte, porém, não acabou aí. Em 2017, Rajoy derrotara o golpismo dos separatistas da Catalunha, que, por isso, se dispuseram a ser mais contidos. Até disso Sánchez tirou partido, para dar a ideia de que teria sido ele a trazer a distensão. António Costa tem um digno emulo do outro lado da fronteira.

O terceiro aviso é para os inocentes que ainda levam muito a sério o alarido que à esquerda se faz sobre a extrema-direita, e à direita sobre a extrema-esquerda: guardem as vossas indignações na gaveta com muita alfazema, porque Podemos e Vox só não farão parte de maiorias governamentais se não forem necessários. A lição das transições de poder em Madrid e na Andaluzia em 2018 é que nunca o PSOE ou o PP deixarão de ir para o governo se tiverem votos para isso, venham esses votos de onde vierem. Como António Costa provou em Portugal, todos os votos valem agora o mesmo. O luxo de excluir partidos ditos de “extrema-direita” ou “extrema-esquerda” durou, após a Guerra Fria, apenas enquanto os outros partidos não precisaram deles para disputarem o poder. A extrema-esquerda, por exemplo, exalta-se muito com a extrema-direita. Mas na Grécia, o Syriza governou durante quatro anos com um partido, o Anel, que se por acaso estivesse no poder em coligação com a direita, todos os dias seria denunciado como racista e fascista. A regra é simples: só os “extremistas” que ajudarem os nossos inimigos é que são maus. Não  vale a pena fingir que não é assim.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)