Paris, 24 de Outubro. Dois adolescentes morrem nos confrontos que opõem grupos de diferentes bairros. Na noite anterior um jovem de 17 anos não sobrevivera às agressões sofridas numa rixa que as autoridades parisienses, certamente para descansarem os seus concidadãos, explicaram ter ocorrido num conflito em “très petit comité” e não numa dessas batalhas campais que cada vez mais acontecem nos bairros franceses.

Créteil. 18 de Outubro. Contrariado com a marcação de uma falta de presença um jovem aponta uma arma à cabeça de uma professora no Liceu Edouard-Branly. A situação foi filmada e levou a que outros professores doutros liceus revelassem ter passado dias antes por situações idênticas.

Paris, 14 de Outubro. Um adolescente (ou se se preferir uma criança de 12 anos) morreu no meio de uma rixa. Foi agredido com uma das muitas barras de ferro empunhadas numa rixa entre jovens, em Seine-Saint-Denis.

Val-d’Oise,  Garges-lès-Gonesse 29 de Setembro. Um rapaz de 17 anos é linchado por um grupo que as autoridades dizem rival. Mais uma vez as testemunhas filmaram, gritaram e não fizeram nada.

https://www.youtube.com/watch?v=BNlxLpyzdkU

Angoulême, 27 de Setembro. Um grupo de 30 jovens toma de assalto um autocarro. Estavam armados de sabres e tacos de baseball.

Paris, 18 de Setembro. Um adolescente morre no meio de uma troca de tiros entre grupos.

Esta lista que desde já digo incompleta das agressões recentes entre jovens em França (mas que também poderia ser dos esfaqueamentos em Londres) coloca várias questões, cada uma delas mais perturbante: que jovens são estes? O que aconteceu para que as ruas de várias cidades europeias pareçam saídas de um filme de guerrilha? Porque não se fala disto?…

Comecemos pelo “porque que não se fala disto?”: não se fala porque se tem medo. Não de se ser fisicamente agredido como aconteceu e acontece com as pessoas que em  Garges-lès-Gonesse filmaram o ataque àquele jovem de 17 anos mas sim o medo de se ser classificado reaccionário. Fascista. Racista. Populista… Nesta fase do texto é suposto que para que o Observador não seja considerado uma espécie de pasquim da reacção da direita rufia, da direita que era culta e liberal e agora é reaccionária e ignorante, eu trate de explicar que ou o centro começa a abordar estes assuntos ou a extrema-direita os tratará. Não o farei. Em primeiro lugar porque não vale  a pena: direita é aquilo que a esquerda quiser. Logo é um exercício inútil tentar explicar-se o disparate e a má fé dessas classificações. E em segundo lugar e para mim muito mais importante, porque aquilo que estamos a viver coloca-se num outro nível: mais precisamente no plano inclinado que nos está a levar da civilização à sociedade tribal. Nessa regressão tem desempenhado um papel crucial o activismo das causas identitárias. As agendas identitárias fraccionaram as sociedades: onde antes tínhamos projectos para países temos agora agendas antagónicas e particulares de comunidades que se subdividem em comunidades mais específicas que por sua vez se segmentam noutras ainda mais minoritárias… E assim sucessivamente numa espécie de recorrente pulsão divisora que nos acantona em grupos.

Características que dantes eram uma circunstância tornaram-se agora numa espécie de segunda pele:  é o bairro onde se nasceu, a terra/continente donde vieram os pais ou os avós, a cor da pele, as opções sexuais…  Nestas sociedades decompostas em tribos a liberdade individual diminui (como se muda de comunidade?); a responsabilidade de cada um é transferida para o grupo e avaliada em função da valorização ou desvalorização desse grupo (são jovens migrantes; os gays; os hetero; o lixo branco…)  e tornada obrigatória a censura por omissão do que possa dar uma imagem negativa de cada uma das tribos: isso não se diz porque dá uma má imagem dos muçulmanos;  aquilo não se escreve porque pode ser interpretado como homofóbico…

Na prática a histeria em torno das fake news, da imprensa de direita, das notícias reaccionárias… procura apenas legitimar a censura e diabolizar qualquer análise à tribalização das sociedades ocidentais. O resto é a agit-prop do costume.

PS. Exmº Senhor Deputado José Magalhães sensibilizada com a sua campanha não só para detectar fake news mas também para as suprimir e por fim penalizar os seus difusores venho dar-lhe conta de um um caso gritante de mentira: dizem os sectores populistas que a senhora ministra da Cultura colocou Évora a sul do Sado. Recorrendo a uma técnica tipicamente reaccionária os autores desta falsa notícia, para a credibilizarem, até indicam um local e uma data em que Graça Fonseca teria feito esta declaração que como é óbvio nenhum titular de uma pasta ministerial para mais da Cultura pronunciaria em Portugal. Assim a reacção pôs a correr nas redes sociais que a 6 de Novembro, na Audição da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa sobre o Orçamento de Estado de 2019,  a senhora a ministra da Cultura anunciou que o Museu Regional de Évora instalado no antigo Paço Episcopal, frente ao Templo Romano, vai tornar-se “no primeiro Museu Nacional a Sul do Sado”. Desnecessário será explicar que isto só pode ser mentira. Como pode uma ministra, para mais ministra da Cultura num governo de esquerda que é mesmo que dizer uma pessoa cultíssima, colocar Évora ao sul do Sado? Obviamente que se por um infeliz acaso a senhora ministra tivesse proferido tal enormidade o facto teria sido amplamente destacado, pelo menos teria sido tão destacado quanto o foram as revelações que, no tempo em que era secretária de Estado, a agora ministra da Cultura fez sobre a sua vida privada e que tantas notícias, louvores e elogios lhe valeram.  Assim proponho que se identifique quem pôs esta notícia a circular nomeadamente se a sua difusão não está associada ao activismo de grupos de incivilizados aficionados do toureio a cavalo. Porquê a cavalo? Siga o Sado, senhor deputado, siga o Sado…