Caixa Geral de Depósitos

O maior segredo do caso CGD

Autor
1.462

O segredo que o caso CGD ameaça desvendar é que o governo não tem condições para governar, e que a sua habilidade é feita de “habilidades” e “erros de percepção mútuos” que às vezes dão “trapalhada”.

Para eles, o caso da GCD já acabou. Mas foi precisamente assim que Watergate começou, quando Nixon quis acabar com a discussão e impedir qualquer inquérito. Ao princípio, Watergate parecia pouca coisa: uns quantos intrusos apanhados na sede do Partido Democrata. O que fez de “gate” o sufixo de todos os escândalos políticos foi a tentativa de encobrimento. Nixon podia ter dito: uns colaboradores meus cometeram um crime com que eu não tive a ver, eles que prestem contas à justiça. Em vez disso, pagou-lhes para se calarem e procurou sabotar a investigação judicial. Daí a questão que envenenou a América entre 1973 e 1974: “que sabia o presidente, e quando é que soube?”

António Domingues pôs como condição para aceitar a presidência da CGD não ter de declarar o património. Sem isso, não aceitaria. Aceitou. Que lhe prometeu o ministro das finanças? Que sabiam o primeiro-ministro e o presidente da república, e quando é que souberam? A passagem de Domingues pela CGD tem pelo menos essa pergunta em comum com Watergate.

Porque é que o governo não responde? Nixon tentou obstruir o inquérito sobre Watergate porque temeu que, a partir desse caso, viesse a levantar o tapete sobre todas as outras operações ilegais que a presidência conduzia contra a oposição. E o que é que o governo receia no caso da CGD? Provavelmente, que o conhecimento da negociação com Domingues possa sugerir que não foi totalmente exacto perante o parlamento, e ainda que deixe à mostra a duplicidade, o manobrismo e a confusão com que se procura sustentar no poder.

Porque é que o governo não assumiu simplesmente o que combinou com António Domingues? Provavelmente, porque receou o banzé dos parceiros parlamentares, já perturbados pela polémica das remunerações. Mas então, porque insistiu em Domingues? Porque estava talvez muito empenhado em fazer da CGD mais uma TAP: uma empresa do Estado, mas de facto entregue a privados (no caso da CGD, à equipa de gestores de Domingues). Daí, a teia de equívocos.

O maior segredo que o caso CGD ameaça desvendar é que este governo não tem condições para governar, e que a sua mítica “habilidade” é feita das “habilidades” e dos “erros de percepção mútuos” que vimos aqui ou na Concertação Social. Por vezes, dá “trapalhada”. Como poderia ser de outra maneira, quando o governo é chefiado por um político derrotado nas eleições e sustentado por dois partidos contrários a tudo o que é preciso fazer para garantir o financiamento do Estado e o relançamento da economia? Como poderia o governo viver de outro modo, senão pactuando com todo o tipo de facções e de interesses (veja-se, a propósito, a promessa de estender aos “grandes devedores” da banca uma “especial atenção”)? E como poderia resolver eventuais contradicções entre as várias facções e interesses, a não ser cultivando toda a espécie de “erros de percepção mútuos”?

O presidente da república teria de figurar nesta feira de enganos, por este motivo: a uma governação deste tipo, não basta, da parte do presidente, “cooperação institucional”; precisa de cumplicidade política. Este é um dos maiores perigos do actual governo para o regime: de tão fraco, acabará por comprometer tudo e todos.

Nixon caiu porque os americanos levam a sério os abusos de poder e as mentiras de quem exerce cargos públicos, e porque as instituições nos EUA funcionam. Por cá, qualquer governo está resguardado pela apatia pública e pela inoperância institucional. Estamos geralmente condenados a ficar só pelas suspeitas. Mas as suspeitas, se não chegam para derrubar um governo, chegam talvez para desacreditar um regime.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

A crise do PSD é a crise de todo o regime /premium

Rui Ramos
235

Rio não se distingue dos seus rivais no PSD por quaisquer ideias, mas por uma estratégia – ou melhor, por uma manha. Esta é clara: hostilização àquilo que ele trata como “direita”, e aproximação ao PS

PSD

O nome do vazio /premium

Rui Ramos
414

Se houver mesmo um desafio a Rio, não é para o poupar a derrotas, mas para mudar uma estratégia que pode comprometer o PSD como grande partido. Rio é hoje apenas o nome do vazio que ele próprio criou.

Política

Viver sem ideias /premium

Rui Ramos
258

Nenhum regime é apenas o que existe e como tal pode ser descrito. É também o que os seus líderes propõem, as expectativas e a confiança que as suas ideias são capazes de gerar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)