Rádio Observador

António Costa

Pesadelo de uma Noite de, Digamos, Verão /premium

Autor
262

O dia é 21 de agosto de 2029. Em pleno tabuleiro da Ponte 25 de Abril o Presidente da República António Costa acabou de rebaptizar a infra-estrutura: passa agora a chamar-se Ponte PREC.

Pouca gente sabe mas William Shakespeare escreveu a sua obra Sonho de uma Noite de Verão inspirado pelos tórridos estios característicos das Ilhas Britânicas. Já no nosso país, o verão de que estamos a usufruir este ano revela-se mais propício a arrepiantes pesadelos.

O dia é 21 de agosto de 2029. Em pleno tabuleiro da Ponte 25 de Abril o Presidente da República António Costa acabou de rebaptizar a infra-estrutura. Depois de Ponte Salazar e Ponte 25 de Abril a primogénita travessia do Rio Tejo passa agora a chamar-se Ponte PREC em honra da etapa histórica que Portugal iniciou em 2015 com o governo do PS apoiado por PCP e Bloco de Esquerda e que a actual quarta encarnação da geringonça pretende aprofundar.

O Presidente lembrou o célebre momento em que naquele local, em 1994, o governo de Cavaco Silva foi praticamente derrubado pelos camionistas. E depois recordou como o seu próprio governo, em 2019, derrubou os camionistas. Concluiu logicamente, pela propriedade transitiva da política, que foi o primeiro-ministro António Costa quem derrotou o primeiro-ministro Cavaco Silva. A ponte quase veio abaixo com o estrondoso aplauso. Literalmente. As cativações da ministra das Finanças Mortágua só permitem a substituição de seis parafusos ferrugentos por quinquénio.

Mas o projecto de dar novos nomes a obras públicas, do qual o primeiro-ministro Pedro Nuno Santos encarregou a ministra da Administração Interna Catarina Martins, não ficará por aqui. Em breve também a Ponte Vasco da Gama verá o nome do navegador colonialista, xenófobo, racista e nazi merecidamente substituído. Numa demonstração de inaudita magnanimidade, a travessia passará a chamar-se Ponte Rui Rio em homenagem ao trabalho deste estadista no eliminar da distância que historicamente separava os lados esquerdo e direito da política em Portugal, nomeadamente por via da eliminação do PSD do panorama político português.

Parece portanto ultrapassada a crise que ameaçou a estabilidade do governo o mês passado quando a líder do Bloco de Esquerda exultou com o pré-aviso de greve de sexo das mulheres portuguesas contra a opressão do cis-heteropatriarcado. O Primeiro-Ministro — suspeita-se que aconselhado pelo Presidente da República — ameaçou colocar os militares na rua para garantir os serviços mínimos.

Num primeiro momento Catarina Martins indignou-se com a perpetuação do estereótipo de que as mulheres não podem ver homens fardados sem ficar com as perninhas a tremer, mas acabou por se demarcar da paralisação depois de o Primeiro-Ministro ter acedido à exigência antiga dos bloquistas de que a frequência do acampamento de verão do Bloco de Esquerda passe a ser obrigatória para todos os jovens até aos 18 anos e não apenas para as crianças até aos 12, como actualmente.

Indisfarçavelmente rejubilante na cerimónia de hoje estava o ministro do Ambiente e líder do PAN André Silva. É que não foi apenas o nome que mudou na ponte. A partir de hoje, das seis faixas de rodagem existentes uma ficará disponível para automóveis: às segundas, quartas e sextas permitirá circular no sentido Sul-Norte, nos outros dias em sentido oposto. Excepto nos três meses de Festa do Avante em que funcionará exclusivamente de Lisboa para Almada. As restantes vias ficam
reservadas a veículos de tracção animal. E quanto menos flatulência o animal libertar durante a travessia menos metano é enviado para a atmosfera e maior o desconto na portagem. Tudo parte do plano da geringonça para tornar Portugal o país mais ecológico do mundo e para ainda este semestre sermos ultrapassados em termos de PIB per capita pelo Burundi.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catarina Martins

A Fulana do Castelo /premium

Tiago Dores

Para a líder do Bloco, ou melhor, para a Fulana do Castelo o problema da escassez de água potável em Portugal resolvia-se de forma muito simples: era só terraplenar tudo o que é barragens. 

Bloco de Esquerda

O Papão Saltarico /premium

Tiago Dores

O Bloco de Esquerda saltou da esquerda radical para o lado da social-democracia. O que vem mesmo a calhar porque o PSD, agora que está do lado esquerdo, tinha deixado o lugar a ganhar teias de aranha

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)