Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Plano de Saúde Outono-Inverno da DGS tem sido criticado pelos especialistas em saúde pública, por se focar exclusivamente na Covid-19 e ignorar as outras doenças que, nesta altura do ano, costumam afectar as pessoas. Por seu lado, o Governo garante que é um óptimo Plano. Os especialistas têm razão, o Plano é muito mau. Mas o Governo também tem razão, o Plano é excelente. É mau, porque vai prejudicar a saúde dos portugueses. E é excelente, porque o Plano não se destina à saúde dos portugueses. O Plano é óptimo, o povo é que o escangalha. Há que olhar para o Plano sem nos distrairmos com pormenores como as necessidades materiais e humanas do SNS, ou os utentes que vão ser servidos. Tirando isso, só por má vontade se pode criticar. A verdade é que o povo português não sabe merecer um bom Plano de Saúde. Não respeita o Excel e insiste em adoecer à balda. Assim é muito difícil planificar.

Já se percebeu que os Portugueses não estão a saber comportar-se nesta pandemia. Como António Costa apontou – e bem! – houve um relaxamento que propiciou o aumento de infecções em Portugal. De facto, enquanto povo, temos tendência ao relaxamento. (É possível que tenha que ver com carências alimentares. Povos que comem melhor têm tónus muscular superior).

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.