Rádio Observador

António Costa

Tirem a Europa da boca

Autor
695

António Costa queixa-se de que a Europa não o deixa ser social-democrata. Mas problema do que ele chama “social democracia” em Portugal é que teria de ser financiada com o dinheiro dos outros.

No congresso do seu partido, António Costa explicou uma coisa: não quer a “ruptura com a Europa”; mas propõe “tensão com a Europa”. Creio que já todos percebemos: a “Europa” ocupou o lugar do “capital especulativo” que foi a única razão de ser de todas as dificuldades do país nos últimos tempos da monarquia de José Sócrates, em 2010-2011.

Lembram-se? O país estava óptimo, poderia estar ainda melhor, não fossem os “mercados” e as “agências de rating” pretenderem acabar com o Euro, para restaurar já não sei que império outrora americano. Sócrates era assim, ingrato. Porque, de facto, de que vivera e abusara ele durante anos, senão do chamado “capital especulativo”, com que aumentara brutalmente a dívida (de 67,4% para 111,4% do PIB, entre 2005 e 2011)? O “capital especulativo” foi a mão que alimentou o socratismo, mas que este não hesitou em morder.

Como agora o costismo com a Europa. O que tornou possíveis as reversões e as reposições que são a paixão e o orgulho da actual maioria? A política do BCE (em cima do sucesso do ajustamento e da notação caridosa da DBRS). Sem o BCE, Portugal não teria as taxas de juro que tem. Sem o BCE, Costa não estaria a reverter e a repor. Mais: com que dinheiro conta agora Costa para estimular a economia? O dos fundos estruturais do Portugal 2020. Esta é o grande logro político deste governo: protesta contra as “actuais políticas europeias”, quando precisamente vive das actuais políticas europeias. É por isso que não se atreve à “ruptura”. Mas é também por isso que pensa que pode permitir-se “tensão”, isto é, guerrilha e demagogia.

Mas não é verdade que o Tratado Orçamental impede “políticas keynesianas”? Não, não é verdade. O Tratado Orçamental não impede políticas keynesianas. O Tratado Orçamental só define limites para os défices públicos. Se o défice não ultrapassar esses limites, os Estados podem ter todas as políticas keynesianas que desejarem. O problema do que alguns chamam “social democracia” em Portugal é que teria de ser financiada com o dinheiro dos outros. O equilíbrio orçamental não é simplesmente exigido pela UE – é imposto pela nossa situação de país que, devido à baixa poupança interna, tem de financiar o défice e a dívida nos mercados internacionais.

E não, não estou a dizer que a nossa dependência nos tira o direito de criticar as políticas da UE. Não estou a falar das críticas. Estou a falar de outra coisa: do cinismo daqueles que acreditam que se pode governar um país só para benefício de algumas classes ligadas ao Estado, e que agora pretendem disfarçar as dificuldades por meio de uma guerra imaginária com a Europa. Mais uma vez: não estou a referir-me à discussão das políticas europeias, mas a essa velha trapaça que é a exportação de responsabilidades.

Esta guerra europeia distrai-nos de coisas importantes: por exemplo, porque é que Portugal, neste trimestre, voltou a não conseguir crescer ao ritmo da zona Euro, como já não conseguiu nos anos anteriores à crise de 2008, ao contrário da Grécia? Esta guerra europeia é também perigosa. António Costa e os seus parceiros parecem viver ainda na Europa de há vinte anos, na Europa irreversível, em que tudo era sacrificado a um pouco mais de integração, e a integração tinha de compreender todos. Hoje, a Europa, tal como os EUA, está a ser subvertida por nacionalismos proteccionistas, em campanha contra organizações e tratados internacionais. Um dos temas do Brexit é, depois da imigração, o repúdio da participação em resgates financeiros. Em Portugal, é a maioria governamental que fomenta o nacionalismo revanchista. Ateia o fogo que a há-de consumir.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
113

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)