O anúncio precoce da candidatura presidencial de Luís Marques Mendes obrigou todos os outros putativos candidatos à direita a mostrarem (parte) do seu jogo. Pedro Santana Lopes, que já em junho tinha assumido que estava a ponderar uma candidatura, manteve a marcação cerrada. Paulo Portas aconselhou juízo, mas não se retirou do campo. Durão Barroso, pelo contrário, acabou de vez com qualquer conversa. Rui Rio seguiu-lhe o exemplo. Até André Ventura veio fazer prova de vida, oscilando entre a promessa de entrar na luta e a promoção das alternativas “Gouveia e Melo” e “Pedro Passos Coelho”. Se o primeiro não mais falou sobre o tema desde o puxão de orelhas público de Silva Monteiro, ex-chefe de Estado-Maior das Forças Armadas, Passos Coelho, por quem muitos ainda suspiram, vai dizendo a quem lhe pergunta que está onde sempre esteve: longe, muito longe, do carrossel presidencial.

Os mais próximos do antigo primeiro-ministro insistem que Pedro Passos Coelho não tem particular interesse pela função, que o tema da corrida à sucessão de Marcelo Rebelo de Sousa (o tal “catavento de opiniões erráticas” que nunca abençoou) não lhe diz muito e que nada fará para alimentar o peditório. As candidaturas (e o cargo) devem estar reservadas a quem quer muito ocupar o Palácio de Belém e, a menos que o contexto se altere de forma muito drástica, não é esse o desejo do antigo primeiro-ministro. De resto, Pedro Passos Coelho nunca escondeu que não morre de amores pelo cargo de Presidente da República, que entende ter um perfil mais executivo e de assumir que o seu projeto para o país ficou inacabado.

Para já, o antigo primeiro-ministro tem-se mantido longe dos holofotes e das conversas (mais e menos públicas) sobre o seu eventual regresso. Mesmo que as suas ausências mereçam, também elas, as mais diversas leituras políticas: o facto de, ao contrário do que aconteceu em 2022, não ter marcado presença na Festa do Pontal organizada pelo partido chegou a ser apresentado como a prova provada de que os dois, Passos e Montenegro, já corriam em pistas diferentes.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.